terça-feira, 31 de julho de 2007


Até o último tição

Depois de assistir ao filme "Treino para a Vida", com Samuel Jackson, uma obra sensacional, jantei e me acostei junto o borralho. Enquanto as lenhas viravam cinzas eu aguçava minha memória antes que as idéias turvassem ou se perdessem nalgum canto. Ouvindo boa música, de Mano Lima a Élvis; de Calypso a Gilliard, me prendi em meus textos até findar o último tição, como mostra esta foto com a cadeira vazia, a qual era ocupada pela Su. Cansado, com sono, me dirigi à cama, mas não sem antes falar um pouco mais em Oracy Dornelles, sempre surpreendente. Talvez eu publique no Expresso o que digo a seguir, usando as próprias frases do mestre.


O louco das pulgas?

Um caderno de Zero Hora circulou em Santiago. Eu juro que não veria nada se não fosse pelo meu amigo Oracy Dornelles, o grande domador de pulgas que esteve até no Jô Soares. Foi ele quem me trouxe um recorte sobre sua pessoa e suas pulgas. Estava indignado com as perguntas da repórter, principalmente com uma sobre sua idade. Vejam algumas respostas: "Nasci em Santiago e aqui, com minhas pulgas e cães, quero despedir-me desse palco. Não sou orgulhoso nem vaidoso, mas um solitário feliz. Gosto das pessoas, mas prefiro mais os animais e os insetos. Sou bem quisto, embora alguém me chame de excêntrico e até de louco. (Devemos também dar espaço à ignorância). Quanto à família e idade, sou desquitado e desligado de laços sanguíneos. Tenho 258 anos, pois conto desde minha última vida, na França de Luis XV, em 1749."


segunda-feira, 30 de julho de 2007

Semana gelada


Outra segunda-feira gelada, prenúncio de que a semana será assim. Hoje levantei mais tarde, com bateria recarregada e pronta para mais uma seqüência de reportagens interessantes para o nosso Expresso de sexta-feira. Hoje é especial para a Suzana, que festeja aniversário. A turma volta às aulas e no Expresso segue em ritmo acelerado a preparação para Os Melhores do Ano, que trará muitas, mas muitas surpresas.
Com esse frio, haja lenha.



Chicão na estrada

No campo político, sabe-se que mais um vez o prefeito Chicão está fora. Agora, com a história da Famurs, ele passa na estrada tentando resolver os problemas nossos e também o dos municípios e, assim, cavocar uma chance de se mostrar estadualmente e vir, quem sabe, concorrer a deputado. Sou contra? Claro que não, ele deve pensar no seu futuro, até porque, não faz outra coisa em quase 12 anos que não seja pensar em política. Ele está mesmo contagiado com esse vírus, fazer o quê.


Ruivo em alta
Mas enquanto Chicão está fora, as coisas por aqui são monitoradas e administradas pelo Júlio Ruivo, mostrando que tem competência administrativa, e isso não é de hoje. Quanto às candidaturas, bem eu falei que seu nome continuaria sendo citado. Já voltam a falar nele e em Guilherme, esquecendo dos mais antigos. Continuísmo por continuísmo, melhor o Ruivo. Esse, pelo menos, sabe mais.


Denírio sem tempo
Por aqui se aguarda com expectativa que o secretário de Meio Ambiente assuma e realmente trabalhe. Mas já soube que seu tempo vai ser limitado e isso me preocupa. A Administração Municipal precisa de gente inteiramente dedicada às causas, sem querer abraçar o mundo com as pernas. Sem tempo, sem dinheiro, não poderá fazer muita coisa. Vamos aguardar.

Oposição ainda dorme

Pelos lados da oposição, nada de novo. Falam em Diniz Cogo, aliás, ele fala mais que os outros. Diz que não abre mão de concorrer. Vulmar Leite, segue na retaguarda. Quer, mas não querem (não até agora). Acredito que esses dois seriam uma boa dupla, mas sem partido apoiando, ninguém é ninguém. E pelo jeito, a oposição ainda dorme no berço da desarticulação.


Palma e Cia - Temos também o Palma correndo por fora, mas evidentemente, sozinho não chegará em lugar algum. Ele precisa definir metas e, acima de tudo, de que lado está, sem aquela saraivada de promessas para Deus e todo mundo. A seguir assim, cai do petiço na primeira esquina. E pelo PT, nada x nada. Isso mesmo: o PT tem pouca representação e, como dizia o velho Neomir de guerra, se meterem com um monte de partidos vão perder de novo.
O vereador (licenciado) Sandro Palma ficou mais conhecido quando enfrentou a luta contra um câncer.

domingo, 29 de julho de 2007

Froilan e Oracy






Desde que cheguei em Santiago venho conhecendo gente de todos os quilates. Difícil seria dizer quantos ainda conhecerei e se me surpreenderei tanto como me surpreendi com os dois poetas Oracy Dornelles e Froilan Oliveira. Tanto um quanto o outro, servem de inspiração para o que escrevo, pois aprendo com eles a cada dia. O grande Oracy eu aprendi a conhecer graças ao querido amigo, quase um irmão, o Mácio Brasil, que sempre o admirou. Oracy hoje orgulha a família Expresso com as suas caricaturas e os epitáfios. Já o Froilan, este chegou na vida do Expresso de maneira também surpreendente. Ele corrigiu um texto, aliás, uma expressão do Miguelito. Tratava-se da abreviatura de general. No jornal constou que o certo seria apenas "gal.", como se "gen." fosse errado. Froilan contestou e provou que estavam certas as duas expressões. O Oracy soube da correção e me interpelou se eu não havia ficado brabo. Respodi que não. Brabo ficaria se não conseguisse trazer o Frolian para escrever e nos ajudar a corrigir o jornal, pois toda crítica precisa ser absorvida. E assim aconteceu. Há vários anos ele está conosco. Hoje, para a minha satisfação, ele ainda é capaz de dizer que aprende comigo. Obrigado, Froilan. Nota-se em tua figura um ser provido de grande sapiência, por isso, jamais pensei que pudesse aprender comigo alguma coisa. Fico lisongeado e espero não desapontá-lo, a exemplo dos demais leitores desse nosso jornal Expresso.
Abaixo, o texto de Froilan Oliveira, cujo blog é uma leitura obrigatória para quem deseja ter um pouco mais de cultura e espichar a visão além do alcance.

(por Froilan Oliveira)
Nesta postagem de estréia, de cara, esclareço o motivo que me levou a entrar para o seleto grupo de bloqueiros (seguindo o exemplo do Márcio Brasil, do Júlio Prates, Vivian Dias, entre outros). Ato contínuo, justifico o título do meu blog, fechando com algumas considerações necessárias.A profusão de textos disponíveis na Rede é algo que me faz pensar se vale a pena mais um enunciador, senão para denunciar uma nova babel em construção. Minha voz não reforçará a algaravia já entreouvida, pelo contrário, será a um tempo tonitruante e doce. O estilo do meu enunciado, salvo alguns deslizes poéticos, constituir-se-á na própria razão do contraponto,isto é, a negação.O filósofo que mais leio. F. Nietzsche, que maior influência exerceu no século XX, destila sua sabedoria em aforismos. Antes de ser acusado de pernóstico, cito o diretor do Expresso Ilustrado, João Lemes, com quem aprendo a dizer o essencial e p(r)onto.Assim, minhas postagens serão breves. Figo pingo de mel, às vezes. Às vezes, malagueta (como gosto dessa pimentinha vermelha!).


O homem ideal
(pra Suzana)
Dessa vez, sou eu que vou lavar a louça do jantar. Dessa vez, eu vou ficar ouvindo e você vai falar. Dessa vez, assisto uma novela esqueço o futebol, eu arrumo a cama e coloco o lençol, falo aquelas coisas pra te excitar... Dessa vez, se você não quiser não vou insistir. Dessa vez, eu fico com as crianças se você sair. Se chover, sou eu que vou tirar as roupas do varal, se você quiser eu vou ser sempre assim, faço exatamente tudo igual...
Dessa vez, sou eu que vou levar o seu café na cama, na hora do amor eu acendo a chama, hoje a fantasia está por minha conta... Dessa vez, eu vou deixar você subindo nas paredes, correndo pro abraço balançando a rede, cheia de desejo e de cabeça tonta...
Dessa vez, eu peço o mesmo prato que você pedir. Dessa vez, se você quiser, não vou insistir. Dessa vez, a gente vai pra cama mais apaixonado, se depois do amor você virar pro lado, abraço o travesseiro e também vou dormir.

Homem-fantasia
Essa música, da banda Calmon, reflete bem o que toda mulher deseja de um homem, de um homem-fantasia. Mas como dizem os entendidos, poesia é poesia e a realidade é bem diferente. Não nego que tenho vontade de fazer tudo isso pela Su, mas como diz o ditado, de boas intenções o inferno está cheio. Melhor, então, é me policiar e tentar ser mais delicado, engolir minhas neuras e meus devaneios sem ficar molestando a pessoa amada. Essa flor maravilhosa que ela é. Posso não ser o poeta dessa romântica canção, tampouco sou o marido ideal, muito menos o homem-fantasia, mas procuro, isso sim, a cada dia reforçar nossa união e dedicar todo o meu tempo, por mais que seja pouco, à nossa família, principalmente a você, grande responsável por minha felicidade. Te amo, Suzana. Feliz aniversário!

sexta-feira, 27 de julho de 2007

sexta para um bom vinho

Don Vergilio & don Lemes:
Muita coisa em comum

Frio, poucas opções de lazer em Santiago, então, o que fazer? Acabo ficando com dó de mim e para que tudo saia bem comigo mesmo vou saborear um vinho Don Vergilio, produzido aqui a poucos km de minha casa, em Chapadão - Jaguari. Pois é, sabem qual o motivo de eu me apegar a essa produto? Poderia citar vários mas vou ficar só em três para não em alastrar.

1° - Porque os vinhos Don Vergilio estão patrocinando este blogueiro. Isso mesmo, os primeiros a postar no meu trabalho em nível virtual;

2° - Porque meu avô paterno se chamava Vergilio. Até peguei uns vinhos para levar numa festa da família Lemes que teremos em Panambi, em dezembro. É que eu tenho um primo lá que adotou esse nome para seu filho. Vou fazer-lhe uma surpresa com os presentes;

3° - Porque na festa de lançamento do centro de enologia em Chapadão tive o prazer de saborear esse vinho. Que delícia, um aroma inigualável. Nem forte, nem amargo. Olha, dá para tomar um bom tantos em a preocupação da dorzinha de cabeça, aquela que vem quando a gente toma qualquer coisa.
Parabéns à família Sonza, produtora dessa marca. Em breve darei mais detalhes do produto. Contatos: 3505 - 1436.

terça-feira, 24 de julho de 2007

Boatos sem sucesso e...

Depois que eu estava com todas as matérias para o Expresso de sexta já editadas, me aparece um papo de que a nova onda política do momento é falar em uma dobradinha chamada Vulmar Leite e Ayda Bochi para lutar pela prefeitura de Santiago. Lógico que não foi possível editar nada a respeito, até porque, pode ser pura especulação. Boatos ou não, uma coisa é certa: Vulmar anda bem louco atrás de um bom vice e de um grupo partidário forte que demonstre todo o apoio à sua candidatura, caso contrário, nem sai e casa. A professora Ayda seria um bom nome? Não sei, só sei que, se tal fato for verdade, e se concretizar, Santiago e Jaguari teriam algo em comum: uma vice-prefeita com o mesmo nome. Também observo que a dupla poderia até não agradar a muitos segmentos, mas que seria uma dupla para o “deleite” da oposição, isso seria.

... e os fatos do Expresso

Mas chega de conversa sem embasamento legal. Agora vamos aos fatos que estarão no nosso Expresso de logo mais. Há um bonito caderno em homenagem a nós, pais, e aquelas matérias de costume, nem tão fracas, nem tão fortes, mas com uma grande dose de bom-humor, que de carranca, o povo anda cheio. Outro fato que vai atiçar as bichas do mundo político é que estamos publicando algo sobre o tamanho de cada partido. Também falamos da despedida, parece que agora vai mesmo, do Barbará que parte rumo a São Chico. Calma, gente, não fiquem tão curiosos, logo, logo, lá pelas oito da manhã, vocês estarão com o jornal em suas mãos. Boa leitura.

Festa em casa

No final de semana que passou juntei uns amigos em minha casa para festejamos o aniversário da Su. Aqui estavam o Neca e a Márcia, o Tabordão e a Sandra, o Cláudio e a Débora, a Oneida, meus filhos a Suzana e eu. Mais tarde chegaram o Décio e a Aritana. Pra encurtar o causo, vou dizer bem direitinho o que houve. Sobrou bóia e faltou vinho. O Neca (Leonel) se enfrascou e tive de levá-lo em casa. E só o Décio tomou um litro e meio. Sozinho da silva. Em breve, o aniversário a ser festejados será o da Sandra e o meu, dias 05 e 11 de agosto. O meu amigo Júlio Saldanha já confirmou sua presença.


Quem quer dinheiro?

Nunca foi tão fácil arrumar dinheiro. As empresas de empréstimos estão em toda parte
Nos últimos anos, a oferta de dinheiro cresceu. Conforme dados do Serasa, entre janeiro de 1999 e 2006, esse ramo de atividade já havia crescido 290%. As empresas de crédito até compram suas dívidas. Mas cuidado, todo o dinheiro deverá ser devolvido um dia. Às vezes, a conta pode ser maior do que se imagina.

Esta é uma das matérias que vai puxar a edição desta sexta-feira do nosso Expresso que, neste momento, está a caminho da gráfica com tudo nos trinks.


Marco Peixoto e os leiteiros
Outra matéria um tanto polêmica diz respeito à retirada dos leiteiros do campo que pertence à família do deputado Marco Peixoto. Procurei construir uma reportagem descompromissada as duas partes, deixando que o leitor julgue os fatos a seu modo.


Novidades
No campo do humorismo, algumas novidades, a exemplo da área envolvendo políticos e empresários de nossa comunidade. Por ora, com um frio desses, vou me recolher ao galpão e tomar aquele mate com uns bolinhos de arroz que eu adoro. Mais tarde, se achar lenha, vou “me aquentar” um pouco para desencarangar os ossos. Até amanhã.

segunda-feira, 23 de julho de 2007

Segunda de pé na estrada

Segunda-feira, sol e frio. Já cedo soube que o nosso prefeito Chicão está na estrada. Santa Maria, Porto Alegre e Florianópolis fazem parte de sua agenda. Bem-feito, quem mandou querer fazer parte da Famurs, Federação de Municípios. Mas ele é versátil, deverá sair-se bem e trazer muitas novidades para Santiago. Nesse meio de tempo, Ruivo deve comandar o município. E eu, mesmo não tendo nem a terça parte do serviço que tem o nosso prefeito, também estarei na estrada. No jornal, as coisas ficam por conta do competente Denilson Cortes, auxiliado pela Fabiane Braga, Paulo César, Camila, Gilberto Aguirre e Vagner, além dos demais assessores prontos a servir ao Expresso Ilustrado. Aliás, nesta semana, teremos a estréia de alguns quadros, espero que gostem. Em ritmo acelerado também está a festa Os Melhores do Ano, com o grande show de Gilliard. E quanto aos blogs, que feliz idéia teve o Márcio. Não é à toa que o escolhi para narrar a história do Expresso e a de minha família. Até já estou curioso para ler os primeiros capítulos dessa obra, na qual eu também terei participações, escrevendo vários capítulos.
Abraços a todos e até amanhã.

domingo, 22 de julho de 2007

O Boqueirão ataca os jornais
com várias ofensas gratuitas

O blog O Boqueirão está uma maravilha, até com a logo da Globo no lixo, assim como o dinheiro do povo, que o próprio presidente Lula jogou, dando a maior parte da fatia de mídia a essa emissora. Isso que antes o PT só sabia dizer fora Globo. Na real, queria era dizer, fora com nosso dinheiro, gasto em promoção do governo. E quanto ao "anonimato" de alguns colunistas, dito no referido blog, lamento informar, mas a pessoa que disse isso está equivocada. Pseudônimo não rima com anonimato, que seria sem ninguém, mas sim, com personagem com um nome responsável por trás, respaldado num veículo que emprega 50 pessoas e tem responsabilidade por tudo o que ali está escrito, sob a forma da lei. Já alguns blogs, abrigam de tudo, como diria Paulo Sant'ana. Deveria saber disso, senhor escrevinhador.

Domingo de reflexão


O domingo foi de muita leitura, audição de música e conversa em família. Como sempre, a Sandra e o Ânderson vieram para cá e almoçamos juntos. À tarde aproveitei para refletir sobre os fatos que ocorreram no Brasil, lendo jornais, as revistas... A coluna de Paulo Sant’ana (Zero Hora) me chamou a atenção em especial. Ele reclamava das pessoas que enviam e-mail a ele, detonando a todos e pedindo para não serem identificadas. "E eu posso ser identificado?", pergunta ele, analisando também a internet, a qual é muito legal, mas que serve também para um montão de asneiras, coisas anônimas e calúnias contra muita gente, sem o mínimo de responsabilidade por parte de quem escreve.


Os jornais x internet

O colunista Sant’ana continuou dizendo que: nos jornais, as coisas são bem diferentes. Todos são conhecidos, têm endereços e podem responder pelo que escrevem. Quando alguém pensou que o jornal perderia para a net, logo veio a frase, perderia se os outros meios de comunicação tiverem a mesma credibilidade e valor. Eu diria: santas palavras, Sant’ana.

sábado, 21 de julho de 2007

Festa para o João


Ontem nós festejamos o aniversário do meu filho mais novo, o João Henrique. Ele recebeu seus amigos para marcar a data em que completava 9 anos. Aí na foto estão: a Suzana (sua mãe), a Sandra (tia), a Sabrina (tia), os manos Fagner e Fernanda e esse blogueiro. Parabéns, filhão!


Revendo amigos

Nesta semana encontrei-me com meu amigo Elisandro Naressi, o querido "Perninha", só que, fora da terra-natal ele recebe o emblemático apelido "Santiago". Ele já atuou em várias cidades do RS e até fora dele, sempre mostrando seu grande potencial nos gramados. Essa revelação santiaguense hoje está defendendo as cores da Ser Santo Ângelo, time que já ajudou a colocar na primeira divisão do futebol gaúcho nos idos dos anos 90. Do nosso encontro restou o compromisso de nos reencontrar naquela cidade em dia de jogo. Ele vai reunir seus amigos e eu vou levar uns daqui de Santiago, que também são amigos dele. Até lá, e boa sorte rumo a tantas vitórias no campo profissional.


Palma ainda está em alta

Olá, amigos. É incrível, como diz o jornalista Júlio Prates, mas Sandro Palma atinge de novo uma marca excelente na pesquisa Os Melhores do Ano. Ao ser comunicado que havia ganho, Palma só faltou se jogar no chão, de tão faceiro. Esse índice prova que a gente não é capaz de presumir as coisas que estão na boca do povo, a não ser por pesquisa. O nome de Palma realmente é muito forte. Se ele fosse mais ponderado em alguns aspectos seria imbatível numa eleição.


Júlio Prates

Quanto ao Prates ter nos auxiliado nas primeiras pesquisas aqui no Expresso (conforme está em seu blog), é verdade. Aliás, todos os rebuliços envolvendo nós, o jornal e as pesquisas serão temas do livro sobre o jornal e a minha vida que o Márcio Brasil está escrevendo (assim espero). Aprendi muito com Prates, ele sabe disso. Hoje, seguimos caminhos diferentes e, entre nós, há um respeito muito grande. Valeu tê-lo encontrado um dia. O admiro por demais, embora à vezes pense que ele saia um pouco da casinha, mas isso não importa, temos que aceitar as pessoas como elas são. Abraços ao Prates e ao Palma, vencedor da pesquisa Os Melhore do Ano como vereador mais popular.

terça-feira, 17 de julho de 2007

Macalão, língua de trapo
E a charge encomendada

(Enviei a correspondência abaixo ao chargista de Zero Hora, só pra ver se ele aproveita essa minha idéia. Estou postando para que todos saibam, pode dar uma zebra dele gostar e publicá-la, sem meu nome, lógico). Agora vejam vocês, leitores e amigos, se ela é das boas.


Olá, Iotti.
Sou teu fã, aliás, do italiano sem-vergonha que tu criaste. Olha, o papo é o seguinte: sou editor de um jornal do interior (uma bostinha), o Expresso Ilustrado - Santiago, pode entrar no site. Eu edito as nossas charges, mas não desenho. Dá uma olhada nas idéias que tem lá no site www.expressoilustrado.com.br.
Hoje, me inspirei de uma em nível estadual, não quer aproveitar? É assim:
O Macalão (dedo-duro) está no centro, meio sem jeito. Ao seu redor, há vários deputados que o olham com raiva. Um deles diz ao fraudador: “Tão te chamando lá no correio”. Outro diz: “Querem usar tua língua para molhar selo”.
Manda-me dizer se gostou.
Um abraço.
Eu conheço o editor de fotos aí de ZH, o Ricardo Chaves.
João Lemes

A Sandra voltou


Felizmente a nossa colega Sandra Siqueira, gerente comercial aqui do Expresso, já está em seu posto de trabalho depois duma semana hospitalizada devido a uma pneumonia. Foi um susto em todo mundo, mas graças aos cuidados dos médicos e da equipe do nosso Hospital de Caridade, ela está de novo na ativa. De vagar, mas está de volta. Abaixo, o texto escrito por seu esposo, o Ânderson Taborda, dono do blog http://www.andysandy.blogspot.com/

Pneumonia

Oi, pessoal tem alguém gripado aí? Aqui em casa o vírus veio forte, mas quem ficou doente foi a Sandra. Ela foi parar no hospital com pneumonia. Para quem não sabe é uma infecção que se instala nos pulmões e pode levar à morte, se não tratada. Ela teve que ficar internada por 4 dias. E eu fiquei esses dias no hospital, com ajuda da família e de amigos que estavam sempre presentes. Graças a Deus que está tudo bem agora. Lembrei muito das palavras que o padre falou para nós quando casamos. Amar, respeitar, na saúde e na doença, realmente faz sentido. Vou continuar respeitando e amando não sei se vai ser eternamente, mais tomara que seja.

segunda-feira, 16 de julho de 2007

Polga de novo


O texto abaixo é do meu amigo Eduardo Galeano, um argentino que hoje mora em Santa Maria e que conhece cada palmo desta região, seus políticos, seus ídolos e seus desprazeres... Vejam o que ele escreveu sobre o meu artigo contra o Ânderson Polga: (O Galeano é o senhor do meio)


Gran amigo Joao...
Tu sabes que Polga estaba en la lista de los convocados para la Selecciòn de Brasil, y Felipao no tenia hasta el momento definido el equipo. Entonces como torcedor del Gremio y como conterraneo (Ciudadano Santiaguense - Cà mara Municipal de Vereadores de Santiago, Decreto 1992), decidi escribir una carta de apoyo a Polga, en parte del texto le decia que en la Iglesia Matriz de Santiago Habia una rèplica de Nuestra Señora de Lujan, Patrona de la Repùblica Argentina, ùnica en el Brasil...para que "ELLA" le de suerte y le acompañe si fuese convocado a la Selecciòn.Fui al correo en Santiago, un funcionario me dio la direcciòn del GREMIO, por lo que vi el amigo era fanà tico del tricolor...asi envie mi apoyo moral santiaguense a Polga, sin ningun tipo de especulaciòn, menos esperar retorno alguno.Cuando Brasil salio campeòn, hicimos un asado en la casa de unos amigos, junto a Maria do Horto, Eduarda, recuerdo tomando la mamadera, y en mis archivos de filmador amador tengo grabaciones de ese momento.Cuando Polga recibe la Medalla de Campeòn del Mundo, juro que me vinieron lagrimas a los ojos, ver un Santiaguense en el Podio, recorde a Neri Cardoso, Chicao, los jugadores del Cruzeiro, cuando haciamos los intercambios con las criancas con Argentina, y me decia, el tiempo es el mayor juez en esta vida.Pero confieso que la nota publicada en tu pà gina,me da pie para desahogarme, Expresso Ilustrado me da esa oportunidad y decir que de forma alguna apruebo la actitud de Anderson Polga, EL tendra sus maguas o motivos, pero dejando de lado egocentrismo, el debia actuar en funciòn a los chicos, criancas, jovenes, dar retorno a todos ELLOS, para que se vean espejados y se tornar un verdadero ejemplo.Cuando Ronaldiño Gaucho, concreto en Porto Alegre su proyecto, juro que recorde de Anderson Polga, que deberia hacer lo mismo...pero debo decir desde lo mas profundo de mi SER y como Santiaguense Adoptivo, mi tristeza, mi resignaciòn, mi incapacidad de poder revertir esta situaciòn y actitud de Polga, por el deporte y las criancas de MI SANTIAGO QUE TANTO AMO.Gracias a Dios, el Proyecto Crianca Feliz, adopta, cuida, ama a cada niño, niña, crianca, por una sociedad mas feliz y justa para todos.
Eduardo Galeano, Cidadao Santiaguense.

Saindo da toca!


Finalmente hoje tivemos um dia mais quente. Estava cansado de frio e frio. Era só colocar os olhos pra fora da janela, pensando, ah!, mas hoje teremos um dia mais caloroso, e nada. Geada em cima de geada. Haja saco. Mas hoje sim. Sol forte, temperatura em "14 grau", como diz o seu Giba. Eu saí da toca lá pelas duas da tarde. O dia rendeu. Produzimos muita coisa para edição e sexta do nosso Expresso. Se bem que, com recesso dos homens que fazem notícias, os vereadores, não será fácil trazer algo mais polêmico, mas tudo bem, vamos nos defendendo com o que temos.
Esta foto é mais uma obra de arte do meu amigo Tabordão. Palmas para ele.

sexta-feira, 13 de julho de 2007

Entocado


Que tempo brabo! Nem saí de casa. Achei melhor esquentar meus ossos junto ao borralho. Não ousei pôr o focinho pra fora de casa nem por um minuto. Menos mal que tive a companhia dos meus dois filhos, o Fagner e o João. O Expresso estando nas ruas, o resto é bobagem. E pra não dizerem que estou pescando, revelo agora o meu paradeiro: rua Duque de Caxias, 624. Olha eu e o João aí, bem sentadões ao redor do fogo! De pescar eu gosto, mas só três vezes por mês, he, he, he... Agora, vou descansar bastante, olhar um bom filme e comer pipoca. Depois de uma semana horrível, de frio, chuva e muito serviço, acho que eu mereço. Tu não acha?, querido leitor?

quarta-feira, 11 de julho de 2007


Bola fora ou dentro?
É o que vamos ver

Acabo de falar com o secretário de obras, Frederico Peixoto. Perguntei se procediam os boatos de que ele teria pedido demissão devido às pressões que estaria sofrendo por parte da oposição. Nada disso é verdade, disse ele. O fato dele estar em Porto Alegre não quer dizer nada sobre isso. Ele vai, isso sim, entrar em laudo para fazer uma cirurgia no joelho, um problema que o aflige faz alguns meses. Quanto ao caso das licitações, falei ontem com o vereador Bianchini, o qual me assegurou que estão é armando para o Frederico. Tudo ficará provado. O secretário não faz parte da empresa de sua mãe e do irmão, portanto, as compras feitas pela Prefeitura são legais, informou. Já pelo lado da oposição, o que falam é que o "Fredi"teria largado uma bola nas costas do nosso prefeito Chicão ao dizer que todas as compras não são de sua (Frederico) responsabilidade. Bola nas costas ou não, a coisa vai feder. Eu vou é passar a bola pro Expresso. Vejamos o que editarei nesta semana.

Frio, gripe e trabalho

Hoje só irei ao jornal pela parte da tarde, pois cheguei em casa eram 3 da manhã. Ao passar pelo termômetro da praça verifiquei zero grau. Brrrr, estou tremendo até agora. Mas tudo bem, vamos enfrentar. Acabrunhar-se é bem pior. Nesta semana estamos em marcha lenta porque a Sandra está hospitalizada devido a complicações gripais. A Su, eu e a equipe estamos dando um duro danado para substituí-la à altura. Desejo-lhe pronta recuperação. Estamos ansiosos por sua volta ao jornal.

Jaguari em alta

Ontem fui a Jaguari participar (prestigiar é levar prestígio, não se usa) da inauguração do centro de enologia e da microdestilaria de álcool combustível, do grupo Limana. O prefeito Ivo Patias, a URI e os produtores da região estão de parabéns. Um sucesso absoluto o lançamento de mais essas ferramentas de trabalho para chegarmos ao desenvolvimento sustentável. Autoridades de toda a região estavam lá graças ao prestígio do prefeito Ivo, da direção da URI e da divulgação a cargo do assessor de imprensa de Jaguari, o jornalista Júlio Prates. Mais detalhes poderão ser conferidos no Expresso desta sexta-feira.

Bueno, parece que acertei

Há 20 anos eu lido com jornal e desde criança faço uso da leitura como meu principal objetivo do dia. De lá para cá, vim aprendendo a decifrar tipos de textos, manias verbais e verborragias. Claro que vez por outra me equivoco, mas na maioria, acerto. Vejam o caso do blog Boqueirão, sobre o qual escrevi que o petista Antônio Bueno é quem o escreve. Ou melhor, escreve, pelo menos, alguns trechos ou grande parte dele. Analisei pelos termos, pelas crases mal colocadas etc. E já estão chegando os e-mails com o mesmo tipo de análise. Dou os parabéns ao Bueno, pois ele é peça fundamental no processo político (como ele gosta de chamar). Até senti sua falta na Câmara para termos um debate mais quente. Dele e do velho Bruxo, o Valério. Abaixo, o recado de Paulo Alves.
João: Tu está certo. Eu também achei que era coisa do Bueno ou de outro petista daqui.Paulo Alves da Rosa

segunda-feira, 9 de julho de 2007


Bueno, e me espalho!
Nos pequenos dou de prancha
e nos grandes vou dar de talho.

(oboqueirao.zip.net) -Sei. O novo blog, o Boqueirão - nome bem original -, está sendo escrito pelo ex-vereador Antônio Bueno. O que me leva a dizer isto? Ora, não foi à toa que passei oito anos ouvido ele dizer "Dito isso, senhor presidente..." , bem a expressão que consta no final de um comentário no blog. Até acho que ela, a expressão, era para ser o nome do blog. Estava custando alguém dar sinal de vida lá pelas bandas do PT, o qual está tentando empurrar o de sempre, o candidato a candidato Cândido Duarte. Bem como tentam arremedar no PP, falando num ex-candidato, como a boa nova na volta do continuísmo. Mas enfim, que bom que o Bueno está vindo para o debate, pois tenho boas perguntas para fazer a ele nesse período pré-eleitoral. Bueno está surgindo para esquentar a cena. Então, está bueno! E tenho dito (isso), senhor petista.


Quem liga pro frio?

Hoje não fui no jornal. Fiquei trabalhando em casa mesmo. Quem foi deve ter feito um bom trabalho, pois a equipe é competente. A Su estava entre os trabalhadores de hoje. Ela retornou só às 18 e encontrou em casa um foguinho esperto que fiz para aquecê-la, conforme mostra essa foto. Em tempo, eu também vou me achegar junto ao borralho para aquecer os meus ossos, afinal, não sou de ferro. Sou é um baita de um friorento.

Os boxeadores


O caso envolvendo o prefeito Mauro Lovato, em Nova Esperança, ganhou repercussão pela região e até fora dela. O prefeito teria agredido um menor de idade porque este, seria o responsável pelos riscos em um veículo da prefeitura. Ao que dizem, Mauro pode ter se enganado e agredido o rapaz errado. Outros falam que o menino provocou o prefeito com palavras e, este, que estava tomando um traguinho, não resistiu à tentação e dar-lhe uns socalões e bater sua cabeça contra a parede do quiosque da praça. O que será que vai dar tudo isso? Pelo jeito a conversa vai longe. O pessoal adora uma baixaria, até mais que os casos de corrupção que envolvem muitas entidade públicas. Bem, para que todos saboreiem os fatos, aí está uma charge com o prefeito de São Vicente, Jorge Martins, que também gosta de dar soquinhos em pessoas, e o Mauro Lovato, numa perfeita dupla de boxeadores. Falei.

É grande meu Rio Grande




E aí, leitores e amigos! Voltei de Rio Grande cortado de alça de gaita. Frio, chuva, garoa e cerração foram os fatores climáticos que contribuíram para tornar nossa viagem ainda mais cansativa, contudo, não deixou de ser interessante. Belas paisagens, indústrias, barcos carregados de peixes, tudo isso é adorável rever. Saber que o nosso Rio Grande é grande mesmo de fato. As proximidades da lagoa Mirim foi o nosso paradeiro na tarde de sábado. Conheci um bairro inteiro formado por pescadores dessa lagoa. Para completar, tinha a companhia do amigo e colega de serviço, Gilberto Aguirre, o Careca, e do seu Mário Siqueira, meu sogro que vai ofertar peixe pra todo o gosto na próxima feira do peixe, sexta-feira, no hortomercado. Confira as fotos das pescarias, da bebedeira com a velha cachaça Tatuzinho.

Os dois das fotos são o Careca e o seu Mário (mais gordo). O alemão é o Deloci Guerra, meu grande amigo lá de Rio Grande. "Me desenha" só essas lages...
(Daqui a pouco falarei de Santiago. É que ainda não cheguei de todo. Gracias.)

sexta-feira, 6 de julho de 2007

Estou fora, mas o Expresso fica

Sexta-feira, calor, Expresso nas ruas, ou melhor, à essa hora está nas casas. No mundo político, o Mauro Lovato e o Frederico roubam a cena. Esse último aí, falarei nos próximos dias. Nossa capa versa sobre meio ambiente, de novo. Um absurdo não haver lei para punir aquele "teusinho" lá que jogou o lixo no riacho. Bem, gente amiga e leitores, agora vou me despedir. Irei a Rio Grande pescar. Isso mesmo. Vou tirar o estresse da semana. Se haver algo importante, liguem para meus colegas de plantão no Expresso. Eu só volto domingo, talvez. Peço desculpas ao Márcio e à Vivian, pois não os acompanharei na aula do curso de política. O novo capítulo do livro também terá que esperar, mas quem sabe até não seja bom, pois vou rodar mais uns mil km (ida e volta). Vamos ver o que eu trago de novo. Fuiiiiii.

quinta-feira, 5 de julho de 2007

Prates no PDT

Já são 1 hora e 50 minutos desta quinta-feira. A edição está quase, quase. E para os mais afoitos leitores aqui vai uma provinha do que será notícia nesta sexta-feira no Expresso Ilustrado, que, aliás, está mais ilustrado do que nunca. Trata-se da saída intempestiva do jornalista Júlio Prates do PDT. Vejam a arte aqui representada pelo chargista Pires, ilustrando a idéia deste blogueiro. A charge também está em http://www.pirescharges.blogspot.com/ para todo o Brasil ver.

terça-feira, 3 de julho de 2007

Equívoco sobre as cotas
(errei, peço desculpas)

Nesta semana postei um comentário a respeito das cotas para negros e índios nas universidades. O texto, como frisei, foi retirado do blog da minha amiga Eliziane Mello e foi atribuído a Júlio Garcia. Houve um equívoco, pois Garcia postou também um comentário no blog de Eliziane, entretanto, eu postei o de outro santiaguense como se do Garcia fosse. O texto (na realidade) é de Marcelo Duarte. Abaixo, reproduzo os comentários, cada um com seus respectivos nomes. Peço desculpas aos leitores e aos autores dos textos pela falha involuntária. Aproveito para ressaltar que ambos estão corretos sobre as cotas. Eu também penso assim.

(Marcelo Duarte)
"Adotar políticas afirmativas, então, é bem mais do que isso. Tem a ver, em certa medida, com o resgate de nossa própria dignidade, há muito perdida em função do modo como temos tratado negros e índios desde o período colonial. A eles não estamos fazendo nenhum favor, pois eles nunca precisaram disso. O que não podemos mais é tratar igualmente os desiguais por vicissitudes históricas, pelas quais somos totalmente responsáveis. Eles não precisam nem de nossa caridade e nem de nossa pena, mas só de justiça social"


(Júlio Garcia)
“Eliziane, as ‘cotas’ não resolvem o problema da desigualdade social e racial (ainda) existentes no país, mas não tenho dúvidas (e por isso as apóio) de que constituem medidas importantes -certamente as primeiras de uma série que virá, em breve, esperamos!- para amenizar as enormes distorções e injustiças verificadas no acesso aos cursos superiores, especialmente nas universidades públicas. No mais, assino embaixo do que disse o companheiro Marcelo”


Vem aí a biografia mais que autorizada

Nesta semana vivi um dia muito importante. Dizem que todos os dias são importantes. É, também acho, mas eu vivi um em especial. Recebi a visita do meu amigo e colega de Expresso, o Márcio Brasil. O motivo foi o primeiro capítulo de um livro sobre minha pessoa que ele vai escrever. Começamos neste sábado e deve ficar pronto no próximo aniversário do jornal, nos 15 anos. Convidei o Márcio para ser o escrevinhador dessa obra (se tratando de sua escrita, será, sim, uma obra) por alguns motivos óbvios:

Primeiro, porque ele está no jornal desde que era gurizinho. Foi guindado pelo Sidi, outro amigo seu, e lá está até hoje. Claro, com, um pé na Câmara e outro na redação. Às vezes passa uma semana sem ir lá, mas tudo bem.

Segundo: ele sempre teve a cara do Expresso e me ajudou, eu e à Sandra, a criarmos muita coisa boa no jornal. Posso dizer que o Brasil escreveu parte do Expresso sem saber que escrevia a minha própria história.

Terceiro: sabe escrever muito bem e, como ninguém, conhece a minha vida inteira. Afinal, foram tantas viagens, tantas noites lado a lado no jornal, que ele até deve ter decorado minhas histórias de vida.

E em quarto e último lugar, porque ele saberá ter isenção pra falar do que quiser. Não vou tentar subtrair uma linha sequer. Nem que a Su brigue, nem que a vaca tussa, nem que o urubu faça inhoque. Vai ficar tudo registrado. Azar do Valdemar, pois será a biografia mais que autorizada. (o nome não é este).

Resumindo: então, pensei em simplificar as coisas. Vamos colocar no papel a trajetória deste vivente aqui, que vem “assoliado” de estrada e tudo o mais. E já vou avisando. O livro vai trazer coisas do arco da velha. Coisas que nunca contei no jornal, contarei ao Márcio para que escreva o que quiser e como quiser. (Foto: o Márcio e eu, na minha mesa de trabalho doméstico)

segunda-feira, 2 de julho de 2007


Estátua ao 'Porga?'

Hoje cheguei à redação só à tarde. Aproveitei a manhã para dormir. É o que eu mais gosto de fazer, após o trabalho pronto. De cara encontrei o Oracy. Talvez ele seja a 10ª pessoa a elogiar a minha coluna. Não que eu tenha escrito uma coisa fora do comum, mas porque eu disse aquilo que muitos gostariam de terem dito: xingar o Ânderson Polga. E agora aproveito e parafraseio o velho seu Getúlio Prestes Gonçalves, quando da vez em que o vereador Sandro Palma queria uma estátua na praça para homenagear o campeão do mundo. "É só o que 'fartava', o 'Parma' 'querê' 'botá' 'estauta' na praça pra 'homenageá' o 'Porga", dissera Getúlio naquela ocasião. Foi o legítimo gol (fora) de estátua, não de placa. Orre bem feito, quem mandou virara s costas para Santiago.


Sandra malecha

Hoje não foi um dos melhores dias. A colega Sandra ficou mal graças a um torcicolo. Justo agora quando estava ultimando os trabalhos de cadastramento das pesquisas sobre Os Melhore do Ano. É muito trabalho e não pode atrasar. Vamos torcer por sua melhora, ainda mais depois da sopinha que a Su levou pra ela, mais os cuidados do nosso velho Tabordão de guerra e da Lala, sua cachorra.


Meio ambiente:
de três se tira um?

Segunda-feira, dia de pauta, de colocar os pingos nos “Is” com a indiada da redação. Ver quem errou mais ou menos. Eu, por sorte, me encaixei num dos erros. Escrevi na coluna duas vezes a frase “muito agradáveis”. Ainda mais num texto que falava de comunicação. Foi a legítima falha nooossaaaa... No campo político, algumas novidades. Além da saída do Prates do PDT, onde nem esquentou banco, descobri que agora, talvez o prefeito Chicão finalmente apresente o secretário do meio ambiente. O vereador Franquilim (foto) estaria entre os nomes a serem escolhidos, o que não seria má idéia, pois vagaria a brecha pro Ademar Canterle lá na Câmara. Aliás, o nome do Ademar também está cogitado para ser secretário, a exemplo de Nilton Nascimento. Eu nem sei quem é, mas dizem tratar-se de um graúdo da Cooperativa. Bom, pode ser que, de três, Chicão tire um.


Novo assinante

Eu disse que o homem mudou. Vejam só, até cansou de comprar o jornal nas bancas e foi lá na redação nos dar os parabéns pelos 14 anos e também assinar o nosso veículo. “Agora que estamos amigos, acho melhor parar de comprar nas bancas e receber bem cedo, na minha casa”. É, gente boa. Em 14 anos, juntamos um punhado e inimigos, mas também fizemos amigos. E como já dizia aquele célebre pensador americano, o melhor jeito de vencermos nossos inimigos é tornando-os nossos amigos. São as conquistas do Expresso, a simpatia de dom Vulmar Leite é uma delas. Na foto, A Su, o Vulmar e este blogueiro.


Batistinha disse que não concorre

E por falar em Vulmar, Sábado, na festa da Neide conversei com o Batistinha. Ele garante que não é candidato a vereador. Disse que chegou onde queria, já foi até presidente do Parlamento. Quanto aos candidatos à majoritária, disse que estão sem nome por ora, todavia admita que Vulmar pode ser um deles. “O Vulmar deveria era dizer que é candidato e juntar todo mundo, assim poderia ter chance de ser o escolhido pelas oposições, contudo, acredito que o PMDB não o aceite”. Será, Batistinha? Vamos esperar pra ver...
Na foto: O tabordão, o Neca, eu e o Batistinha.

"A grandeza vem não quando as coisas sempre vão bem para você, mas a grandeza vem quando você é realmente testado, quando você sofre alguns golpes, algumas decepções, quando a tristeza chega. Porque apenas se você esteve nos mais profundos vales você poderá um dia saber o quão magnífico é se estar no topo da mais alta montanha."-- (Richard Milhous Nixon) ex-presidente americano

domingo, 1 de julho de 2007

Obrigado, Márcia


Nós, que atuamos em contato com o público, precisamos cuidar da nossa imagem, mais precisamente da estética, não é mesmo? Então, o melhor jeito é procurar alguém capacitado. Eu já fiz isso. Estou sempre atento para o meu cabelo, se está sem brilho, sem corte ou até com "as luzes perdendo a luz". Nessas horas eu conto com os serviços da da professora do Senai e dona da Estética Hadassa. Eu falo da Márcia Gonçalves, que também é minha grande amiga, assim como o seu esposo, o João Leonel da Silva, o Neca lá do Vila Rica. Abraços aos dois. Valeu pela festa de sábado. Até a próxima.


Feliz aniversário

Quem conhece a Neide Cabeleireira? É esta moça simpática aí na foto, entre a Suzana e eu. Ela esteve de aniversário sábado e nos reunimos na casa da sua colega Jane para brindarmos à essa grande mulher. A noite foi pequena para tantos cumprimentos e abraços. Parabéns!




Chargista novo

"Quando os gatos saem, os ratos se soltam". Este é o título desta bela charge, a qual circulou no nosso Expresso desta sexta. E não foi "tirada" da internet. Ela foi desenhada a partir de minha criação. O novo desenhista é este paulista (camisa do Batman) que surge ao lado do mestre Paulo Caruso.


As universidades e
as cotas para negros

Lendo o blog de Eliziane Mello, verifiquei esta afirmativa do petista Júlio Garcia, que há tempos deixou Santiago rumo à capital gaúcha. Ele a dona daquele blog entraram na discussão sobre as cotas para negros e índios nas universidades. Veja as palavras de Garcia. "Adotar políticas afirmativas, então, é bem mais do que isso. Tem a ver, em certa medida, com o resgate de nossa própria dignidade, há muito perdida em função do modo como temos tratado negros e índios desde o período colonial. A eles não estamos fazendo nenhum favor, pois eles nunca precisaram disso. O que não podemos mais é tratar igualmente os desiguais por vicissitudes históricas, pelas quais somos totalmente responsáveis. Eles não precisam nem de nossa caridade e nem de nossa pena, mas só de justiça social"


Sou favorável - Me permito dizer que sou favorável ao que Garcia disse. Há tempos temos uma dívida com os negros e índios, os quais herdaram de nós, brancos, chicotadas e desprezo. Eles não tiveram a sorte de descender de famílias com rendas polpudas, com os campos e mais campos que alguém um dia herdou, tomou ou comprou. Como deveria de se esperar, poucos conseguem triunfar nas batalhas da vida. É uma medida racista? Não sei. Só sei que devemos tratar de forma desigual os desiguais, assim como Garcia enfocou inteligentemente.