segunda-feira, 31 de dezembro de 2007

Feliz novo ano a todos

Esta será minha última postagem do ano e desde já quero desejar muitas felicidades e alegrias a todos os meus amigos e leitores, assim como os que acompanham nosso trabalho pelo Expresso Ilustrado, jornal que virá em 2008 com muitas novidades, pois é neste ano que estaremos debutando. Por coincidência, minha filha, Fernanda, debuta em 2009. Já o Fagner, nasceu quando eu entrei para o jornalismo e, o João, logo que me mudei para Santiago em
definitivo. São meus quatro filhos em ascenção: Fagner, João, Fernanda e o Expresso Ilustrado.

Jaguari em festa

Ontem não pude ir a Jaguari. Já estava com o pé no acelerador quando o Prates me ligou e disse que haviam suspendido tudo devido à chuva. Conversei com o brilhante prefeito Ivo e soube que a festa com queima de fogos sai hoje e os shows, programados para ontem, sairão dia 12, próximo. Farei de tudo para estar lá. Obrigado pelo convite, meus amigos.

Bossoroca, aí vou eu

Logo mais, após um encontro como arquiteto da nossa obra, irei com toda a família lá pra Bossoroca. Passarei o Ano-Novo na Buena Terra Missioneira, comendo carne gorda e tomando cerveja, pois não sou de ferro. A recepção ficará por conta dos pais da minha colega Débora Dellarosa. Então, até 2008. Muito obrigado a todos.

sábado, 29 de dezembro de 2007

As últimas de 2007

Fim de uma edição no Expresso, início de uma nova e ampla jornada em busca da satisfação do leitor. Essa é minha rotina. Recomeço lendo muito e assistindo aos fatos mais interessantes. Depois, trago tudo amiúde. Tá bom? Então tá! E já de cara dou uma pincelada onde meterei meu bedelho. Na questão eleição da Câmara. Vai dar o Neco, ah, vai! Não morro de amores por ele. Aliás, por mim ele poderia apodrecer como simples vereador, mas quis o destino que sua chance seja dada. E vai ser. E se for assim, decerto é porque merece. Mas já aviso, vou ficar atento ao seu trabalho assim como fiquei no dos outros. Olha que depois da brilhante administração de Diniz Cogo, o índio vai ter que se agarrar nos pelegos para não cair do cavalo no primeiro pulo. E que ele tenha uma ótima sorte.

Quanto ao Palma, de que vai melar a eleição isto e aquilo, pura bobagem. Ele pode ser vendido, pode ser demagogo, prometedor e até inconsequente, mas algo, decididamente ele não é. Burro.

Domingo me vou pra Jaguari, segunda pra Bossoroca. Meu celular, os amigos sabem. Se precisarem, me liguem. Feliz 2008.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2007

Brindando 2007

E no apagar das luzes da última edição de 2007, parte da equipe do jornal Expresso Ilustrado se reuniu para brindar com champanhe pelo trabalho, amizade e, claro, pelo sucesso do jornal que no próximo ano comemora 15 anos. Se o próximo ano for, no mínimo, equivalente ao que ora find para o Expresso, que 2008 venha logo. Saúde, felicidade e paz para todos!!

Brindando: Sidnei Garcia, Cristiane Salbego, Márcio Brasil, Suzana Lemes, Antoninho Santos, Sandra Siqueira, Cláudio Brum, Gilberto Aguirre, Paulo Maia e João Lemes. (nota-se a ausência de Denilson Cortes que, neste momento, peregrinava por seu milharal em Unistalda).

Rescaldos de 2007

Fiquei praticamente fora de combate durante uma semana. Viajei no sábado e só retornei a Santiago na quarta de madrugada. Uma edição inteira me esperava para ser editada com o restinho de 2007. E cá estou, com tudo pronto, graças a competente equipe chefiada pela Sandra, pela Su e por mim. Tivemos também a preciosa colaboração da minha querida amiga e ex-colega aqui da casa, a Cristiane Salbego, hoje professora em Garruchos e em Santo Antônio. Outro que ajudou pra valer foi o meu amigo Márcio Brasil. É o Expresso com seus velhos filhos ao redor dos computadores. Com todo esse time, mais o Sidi, Taborda, Denilson, PC, Careca, Camila, Cláudio, Vágner, Edinho, Tonho, Hilda e tantos outros, a edição só poderia ficar supimpa. Por hora, peço eu apreciem a arte da capa, obra do Márcio. Logo cedo, o jornal estará nas mãos de vocês.

sábado, 22 de dezembro de 2007

Expresso arrasador
e a nossa viagem

Depois de uma edição pra lá de recheada com uma diversidade de informações no nosso Expresso, estou no aconchego do lar à espera da arrumação das trouxas pela Su e a filharada. Pelos planos dela, nos largamos para Salto do Jacuí, onde reside seu parentesco. A Sandra e o Tabordão também se encambicham nessa volteada.

Redondinha...

Na edição de sexta trouxemos uma entrevista com o nosso prefeito Chicão e a repercussão não poderia ter sido melhor. A leitura foi obrigatória para quem desejava saber um pouco do que pensa o nosso líder maior. E deu para ver que a entrevista realmente ficou bem feita e foi muito lida, a julgar pelas palavras do próprio entrevistado. Ontem à noite ele me disse:
-Aquela entrevista ficou redondinha - . Até convidou-me para a festa com a imprensa no dia 27 de dezembro. E já avisou. não quer saber de reportagem.

Recanto da natureza

Ontem também assisti ao espetáculo que foi a abertura ao público do parque Zamperetti. Um verdadeiro recanto da natureza. Assim é que vou chamá-lo de agora em diante. Até porque, esse paraíso ecológico fica aos fundos da minha casa. Da janela do meu quarto posso ver o açude, a mata, a relva. Esqueci de algo?
Ah!, os gansos do Chicão.

Cultura e burrice

Todos já sabem, ou pelo menos deveriam saber que os espetáculos, para serem bons, não podem abusar da boa vontade do espectador. Ainda mais quando trata-se de música sem cantoria, como o povão gostaria que fosse. Falo dos dirigentes culturais da nossa cidade. Só porque a orquestra de sopro era de graça, deixaram-na posando no palco em detrimento do povo que desejava ver o filme Rendetor, lá no novo parque.

O Noé seus bichos

Olha, seu Noé, se o senhor tivesse colocado o Mano Lima (poderia ser só o disco), o povo gostaria mais. Querer enfiar cultura, música orquestral, embora seja uma maravilha, para quem não entende, é chover no molhado. Como hoje é sábado, ontem, poucos puderam se aventurar até a madrugada. Mas fazer o quê? Em Santiago é assim. Esses eventos públicos atrasam em tudo. No festival entregaram troféu para os galos e, agora, o filme foi passado para os sapos do banhado e os belos gansos. Olha, seu Noé. Tá certo que o senhor goste de bicho, mas da próxima, pense mais nas pessoas. Ou peça as contas de vereda. Seus projetos se constituem num furo atrás do outro!

terça-feira, 18 de dezembro de 2007

Segunda agitada e
os velhos esquemas

Cá estou na redação, eu e o Tonho. Estamos no preparo do jornal natalino. E já redigimos matérias do arco da velha, como diria o Barbela. Sexta-feira será o dia D.
Reeditando o velhoNo final de semana assistimos a empurração do nome de Accácio Oliveira como candidato a prefeito pelo PMDB. Depois de falarem em Cândido Duarte (PT) e em Burman (PDT), agora veio o Accácio. É a velha oposição lançando mão dos velhos nomes. Enquanto isso, os espertalhões do PP só assistem. Olham tudo, preparam a munição e depois bang, bang. Tiro certo na cabeça para não estragar o couro.

A matéria abaixo foi uma sobrinha de uma crítica que fiz ao deputado Édson Brum, e a tantos outros que gostam e dizer que andam "prestigiando" as coisas, em vez de afirmar que estão só assistindo, nos sentido de olhar, ver...


Um homem de prestígio

O deputado Édson Brum, apesar de estar assessorado por um grande jornalista, o nosso querido Filipe Cogo, não aprendeu que a pessoa só "prestigia" quando tem prestígio, e quem se diz estar prestigiando se auto-elogia. Assim ele disse na inauguração da obra da Câmara de Santiago: "Estou aqui prestigiando este ato." Em outras palavras: "Eu trouxe o meu prestígio a este ato".

sábado, 15 de dezembro de 2007

Alô, Santiago


Cansativa, mas estimulante. Assim defino a semana que chega ao fim. No Expresso tivemos atividades mil. Novamente apresentamos uma edição substancial. Acredito que, mesmo não tendo sido uma das minhas preferidas, deu para dizer que não fui ruim. A manchete sobre o "Piscinão do Cipó" veio como um alento psicológico ao calorão e a reportagem sobre a senhora que teria atropelado um brigadiano, e que agora aparece contradizendo a Brigada, causou inquietação ao comandante major Chaves. Ontem à tarde, a autoridade me ligou e debatemos o assunto. Por ele, o jornal não deveria ter dado ouvidos a uma pessoa envolvida em processo de trânsito. Segundo Chaves, a senhora deveria, isto sim, se defender em juízo em vez de sair pela imprensa culpando os policiais por seus atos. Bem, certa ou não, o jornal deu o espaço e vamos ver como a população reage. Se fica com ela ou com a Brigada.


A Brigada e as
gafes na mídia

Ainda há pouco estava ouvindo o Jones pela Santiago quando ele dizia que bate palmas aos marginais que inventam o falso seqüestro. Ele aplaude a criatividade dos caras. Ironicamente, claro. Mas o que me deixa impressionado é capacidade de discordância que possuem os falantes em rádio, como o sargento Sanches, que lê as ocorrências da Brigada Militar. Tem boa voz, se empolga ensinando a população sobre os cuidados no trânsito etc, mas, ao dar as estatísticas, vira num "as ocorrências tais ‘caiu’ bastante; os crimes tais também ‘baixou’ e os acidentes ‘subiu’ muito". Tal comunicação tosca reflete a falta de leitura. A pessoa acha que fala bem, mas passa por cima dos erros sem se dar conta. Falando em erros na imprensa, não são só os brigadianos que aparentam não saber ler. Até na Globo eu vejo gafes lingüísticas. Outro dia um repórter famoso me saiu com "elo de ligação", e a toda hora se ouve "vai criar novos empregos", abrir ‘novas’ vagas e assim por diante. Também se observa as pessoas querendo ‘tratar’ doenças ao invés de combatê-las. Se percebe que eles curam desde a gripe até câncer, quando deveriam era curar o paciente. E quem fica impaciente sou eu e, certamente, milhares de ouvintes.


Diniz em alta
Hoje à noite haverá uma festa em comemoração ao aniversário do meu amigo Diniz Cogo, atual presidente da Câmara. Não sei ainda se poderei ir, mas de qualquer forma, gostaria muito de poder abraçá-lo e desejar-lhe felicidades. Um ano cheio de sucesso ao nosso popular Gringuinho da Betânia, o "Bandinha", hoje "Banda Larga". E sei que na próxima semana festejaremos a instalação do Corede Vale do Jaguari, uma vitória estrondosa dele e de outras lideranças. Valeu, Diniz. Você melhorou 100% a forma de atuar e, pelo que vejo, não vai parar tão cedo. Muitas felicidades e que Deus te ilumine como político e cidadão para o bem de Santiago, para o nosso bem...

segunda-feira, 10 de dezembro de 2007

Santiago, violência, política...

Estava descansando a cabeça e ao mesmo tempo armazenando coisas para descarregar nas páginas do nosso Expresso da próxima sexta. Hoje volto a este espaço e vejo que Santiago segue seu curso, afetado por alguns respingos do que é a segurança pública em nível geral. Hoje mesmo, o Armazém das Flores foi assaltado. Os marginais colocaram um revólver na cabeça da proprietária e levaram o dinheiro. E dizer que há gente que ainda acredita que se ela tivesse uma arma, estaria livre da picardia.

Finalmente, depois que o Expresso trouxe o assunto por duas oportunidades, os veredores resolveram falar na contaminação das terras, águas etc, lá ao lado da usina de lixo. Acordaram.

E por falar em meio ambiente, vejo o Denírio em todos os eventos da URI, só não sei se está sobrando tempo para ele fazer a outra função, que é a de ser secretário de Meio Ambiente.

Hoje pela manhã o Pinheiro anunciou o Lucindo Amaral como um dos melhores locutores do Brasil, e de fato é, só que na hora de ele dizer que avalizava o trabalho do meu amigo Paulo Pinheiro, ele lascou um "abalizar". São coisas... (estou atento, Paulinho).

E o Nequinho vai encarar uma presidência de Câmara? Terá coragem de presidir ela no ano maldito, como dizem?

O Prates (blogueiro) falou algo correto, muito correto. Disse que a oposição quer se articular e não pega nem um clube de serviço, CTG, direção de bairro, nada... E para piorar, lançam o de sempre. É pra levar laço mesmo.

quinta-feira, 6 de dezembro de 2007


Diniz Cogo festeja a
definição do Corede

"Agora deu. Só falta bater o martelo e acredito ter 11 votos a zero lá em Porto Alegre no dia 12 de dezembro para efetivarmos o Corede Vale do Jaguari - Conselho Regional de Desenvolvimento." A afirmação é do vereador Diniz Cogo, presidente da Câmara de Santiago e que também lidera a comissão provisória pró-Corede. Sua alegria se reflete no decreto da governadora Yeda, criando o grupo de trabalho e definindo o 12/12 para a criação definitiva, um sonho de anos e que vai colocar Santiago e a região, no mesmo patamar de outras regiões na disputa por verbas estaduais.

Alfinetada
Esta é uma das boas matérias políticas que a edição de logo mais do nosso Expresso irá trazer. Mas esperem. Não são só as boas. Há uma de um político do PMDB sentando a ripa no prefeito Chicão e, quanto todos achavam que ele iria bater noutro galo que já foi do seu partido, que deseja ser candidato a prefeito, o homem emudeceu. Embora todos saibam que ele não gosta do cara, preferiu não dizer nada. Tá certo!

Banda Larga
E voltando a falar em Diniz, a semana foi totalmente dele. Câmara nova inaugurada (quer dizer, é uma ampliação, mas todos estão chamando de câmara nova, então, deixa assim), e a melhor notícia: o Corede Vale do Jaguari vai sair, aliás, quase saiu e já tem data para sair. Beleza! Palmas para o banda Larga.

Aqui me tens de regresso
E falando em Palma, quero ver o estouro quando ele voltar pra Câmara. Se o Sandro já aprontava em tempos de calmaria, imaginem agora que estamos em ano político (2007 já se foi). Cinco minutos na tribuna serão coisa pouca para tanto falatório.

Churrasco e música
É isso, minha gente. Agora, com o jornal já na gráfica, vou comer uma carne gorda lá com o meu amigo Ruy Gessinger, acompanhado da secretária de Turismo do Estado, Mônica Leal, ouvindo o som do Miguel Marques. O Nenito também estará por lá, mas dele eu já ando enjoado. Do Miguel, jamais.

Fora do ar
Sexta-feira não estou pra ninguém, já sabem. Só volto segunda. Ah, não, sábado talvez eu esteja na cidade e aí, converso um pouco com vocês aqui pelo blog e conto mais umas coisas, mas só para enguiçar a bichas, o resto, o quente mesmo, eu deixo para o jornal Expresso.

terça-feira, 4 de dezembro de 2007


Resposta macanuda

Dia desses inventei de fazer uma crítica aos homens da Rádio Santiago. Envolvi até meu querido amigo Marco Antônio Nunes, dizendo a ele que toda a erva-mate só pode ser verde. Hoje, estou triste com sua resposta pra lá de bem feita. Bem feito pra mim também por ter aloprado com seu palavreado "locutorístico". Eis abaixo a sua resposta.

"Daí, rapazeada? Tudo numa bolha? Pois olha, já não posso dizer o mesmo, pois andei lendo um tal de Blog dum rapazinho chamado João Lemes que falava do nosso programa Baita Chão. Aliás, programa esse líder de audiência na região e porque não dizer, do Estado. Digo a ele que a erva que eu uso pra cevar o meu amargo é da cor que eu quiser, vermelha, azul, amarela, verde enfim, isso não interessa pra ninguém. O mate e a erva na minha casa é do jeito e da cor que me agradar. A propósito: seu João, quando quiser tomar um mate de fundamento aparece no meu rancho."

segunda-feira, 3 de dezembro de 2007

Recomeçando com força

Fiquei longe deste espaço no fim-de-semana, claro, Melhores do Ano em São Chico, inaugurações etc, etc... Nem toquei nas páginas do meu livro e até recebi o incentivo da Sandra, mas não deu. Fiquei amolado, como diria meu tio Valdomiro. Hoje retorno com força total e com disposição para escrever uma bíblia. E tem que ser assim, afinal, vou ingressar a semana zerado de material para o jornal e temos que correr atrás dos fatos, dos furos, enfim, de tudo e de todos. De ante mão aviso que a festa em São Chico foi maravilhosa. Um evento classe A,A,A. Não faltou alegria em cada premiado com o troféu Melhores do Ano. Parabéns a todos vocês e aguardem a superedição no jornal de sexta.