sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Falha nossa!

Olá, amigos. Após mais uma edição do Expresso, nos recostamos às casas para descansar o cadáver, lamentando um erro na matéria do protesto na escola Cristóvão Pereira, sendo que o nome das diretoras estão trocados. Uma falha dos nossos redatores. Só nos resta pedir escusas. Lutamos sempre contra o erro, mas nos entristece por demais saber que ele volta e meia nos persegue. Como aqui é uma equipe, todos erramos. Lamento. Vamos corrigir na outra edição e dizer que o pedido  dos alunos em protesto, era para o retorno da vice-diretora, não da titular (Cida) que segue em seu posto. 

Volto amanhã pra contar sobre a festa do meu amigo Menna Barreto.

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Valentão do Esso

Hoje, pela madrugada, convidei um colega e demos uma passadinha na loja do Posto Esso para molhar a garganta. Acabamos testemunhado a nossa violência urbana de cada noite. Um rapaz bebia em frente ao posto e escutava seu berrante som, oriundo de seu veículo. Quando a lei chegou, o cara, talvez por ser estudante de Direito, se achou no "direito" de bancar o machão, recusando-se a assinar o termo da apreensão do som e ainda desacatou e agrediu um policial. 

Confusão e prisão

Diante do fato, os brigadianos saíram em seu encalço, correndo pelo pátio do posto, derrubando extintores e provocando a gritaria da mulherada. O cara seguiu escapando, correndo, dando socos nos policiais, até ser finalmente dominado, algemado e levado pra delegacia. Alguns curiosos até disseram que os homens da lei foram prevalecidos, mas eu não penso assim. Deu uma de bom, leva pau. Precisamos colocar ordem nas coisas senão, Santiago dará adeus à calmaria. Parabéns aos policias e, se precisarem de mim, testemunharei contra esse rapaz para que aprenda a ser um verdadeiro cidadão. Eu não me omito e, você, leitor, se estivesse lá, tiraria seu corpo fora para "não se incomodar"?

Recusando churrasco

Acabei de receber um bom assunto para debate: um time de Santiago foi jogar fora e, ao chegar na cidade, todos os integrantes notaram que havia uma farta festa preparada, com churrasco, cerveja etc. A surpresa dos anfitriões foi inevitável quando um dos líderes futebolísticos disse que ninguém comeria aquela carne, já que estavam determinados a comerem num restaurante. Os mais linguarudos dizem que os santiaguenses não quiseram ser grossos com os fidalgos cidadãos, apenas tinham que seguir os planos em função da nota que pegariam para justificar as despesas, estas, pagas pelos cofres públicos, lógico...

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Extra, extra: notícia estadual

Ontem ainda falei com o comandante Chaves, o qual me disse que o fato da polícia de Capão do Cipó estar mal-equipada repercutiu em todo o Estado. É que a única viatura dos homens estava no conserto, por isso, não deu pra pegar os bandidos que assaltaram o Sicredi, levando mais de 30 mil. Eis uma charge do meu amigo paulista, o Jean Pires, que mais uma vez desenhou uma de minhas idéias e nos brinda com uma obra de arte, retratando o azar dos brigadianos, estarem a pé justo no dia do roubo... Ou seria, sorte?

 

Dito por não dito


Acabo de receber uma carta do diretor da URI -  Santiago, discordando  da matéria publicada no Expresso, de que o bel Cleudo Irion seria o coordenador de um seminário de jornalismo que vai ocorrer na URI. Conforme o professor Clovis Brum, dificilmente a universidade deixará que alguém de fora dos cursos da instituição se encarregue desse ofício. Como diretor do Expresso, narrei ao remetente que a notícia, dando conta de que o bacharel mencionado  (ex-diretor do jornal Folha Santiago)  seria o coordenador,  foi dada pela Rádio Santiago na quinta-feira passada.  Querem saber do resto do babado? Esperem só mais algumas horas que o Expresso vai trazer na íntegra.

Carta ao delegado

“Senhor delegado, não precisa preocupar-se com meu desaparecimento. Dou-lhe os motivos: tive a desgraça de casar-me com uma viúva, a qual tinha uma filha. Meu pai, que também estava viúvo, enamorou-se e casou com a filha de minha mulher. Desta forma, a minha esposa se tornou sogra de meu pai. Minha enteada se converteu em minha mãe e meu pai era, ao mesmo tempo, o meu genro. Eles dois tiveram um filho, que era por parte de meu pai, meu irmão, mas também era neto de minha mulher, de maneira que eu também era seu avô. Pouco tempo depois, minha mulher também deu a luz a um menino que, como irmão de minha mãe, era cunhado de meu pai e tio do meu filho. Assim, minha mulher era sogra de sua própria filha. Eu sou, em troca, pai de minha mãe e meu pai e sua mulher são meus filhos. Meu pai e meu filho são irmãos, minha mulher é minha avó já que é mãe de meu pai e, além disso, eu sou o meu próprio avô. Seu delegado, eu fugi por causa disso tudo: já não sei mais quem eu sou.”
(enviado pelo meu amigo Valdir Dornelles - Univel)

Rescaldo da feira


Para quem ainda não sabe, eu comprei esta cadeira, a qual eu experimentei lá na ExpoSantiago, no estande do meu amigo Aldacir Calegaro (Virtual Móveis). Fiz uma agrado pra ele e pro meu velho corpo. Aproveitei a promoção da feira e a levei. Aliás, nem levei. Ele mesmo foi quem a levou em minha casa na segunda-feira. E não me venham dizer que esse móvel é coisa de preguiçoso, pois eu raramente tenho tempo de desfrutá-la. Em compensação, lá em casa, até meu filho menor, o João Henrique (10 anos) já se apoderou dela, ainda bem que foi para ler seus livros. Leitura, é sempre algo salutar e bem-vindo, a exemplo dessa cadeira. Quem sabe, ao olhar para ela, eu não acabe achando mais tempo para ficar com a família, nem que seja encostado nela eh,eh,eh.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Tarde das celebridades...

...anima a segunda-feira xoxa

Desde ontem, pensava em ir a Santa Maria, mas devido a uma gripe fenomenal, não tive coragem. Recuei! Resolvi fazer outro programa, o que mais gosto: trabalhar. E falando em trabalho, digo que não há nada melhor que ele para fazer passar o tempo e nos ajudar a mandar embora o baixo-astral e, claro, a medonha gripe.

Estava até meio desanimado ainda, aqui na redação, quando recebi a visita de algumas celebridades locais, dentre elas destaco a do meu velho amigo Brandão, o poderoso da Rede Vivo, empresa que já está em 5° no estado em termos de faturamento. Também falei com o professor Clovis Fernando Bem Brum, diretor da nossa não menos poderosa URI. 

Ambas as conversas foram proveitosas, pois alguns mal-entendidos se dissiparam ao topar com duas pessoas que se conhecem há anos, ainda mais com um diplomata do quilate do professor Clovis. Bem, agora vou pra casa tomar um chá quente e me abafar, como diz o tio Valdomiro. Boa noite. 
Eu volto amanhã com umas coisas bem brabinhas.

domingo, 26 de outubro de 2008

Atirado às traças

Olá, amigos. A chuva me contagiou e acabei pegando uma baita gripe. Fiquei em casa atirado às traças. Até relembro o saudoso mestre Raul: "Estou trancado aqui no quarto porque tem visita estranha na sala, enquanto isso eu passo a vista no jornal..."

Mas amanhã mesmo vou ao médico, como todo o pobre que se preza, segunda também é meu dia de ficar doente. Claro que não vou baixar o hospital em face duma gripezinha, vou a Santa Maria examinar meu joelho, aquele mesmo que me impede de jogar bola.

Na terça estarei de volta com toda a força e pronto para ver o que publicaremos na sexta, em nosso Expresso. De ante mão aviso que festejo uma baita tacada do meu amigo Ruy, que acaba de entrar para a classe dos criadores de angus e brangus, justo porque comprou uma boiada flor de tropa lá do Alegrete. Fico feliz por ele, e claro, por Santiago e Unistalda, que cada vez mais ganham em qualidade e genética ovina.
Volto segunda, se conseguir sair cedo de Santa Maria.

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

A sobrevivência dos cleptos

E não é que o cara aquele, o ladrão de jornal em rodoviária, voltou a ser notícia? É lamentável que um órgão, que se diz ser tão sério, em nossa região e Estado, possa ainda dar guarida a um senhor desses, que se viu às voltas com o Ministério Público por diplomas do velho 1° Grau,  mal-explicados,  e que furta jornais em rodoviárias, caindo em pleno ridículo.
 Depois, ainda perguntam por que a credibilidade de alguns órgãos começa a ir pelo ralo, aliás, deve ser por causa dos rolos e rolos com os golpistas da região. Dizem que o tema do evento é sobre a “sobrevivência dos cleptos”, pois não esqueçamos do velho adágio: me diga com quem andas que te direi quem és! Aliás, vamos ver quem é quem no dia em que acabar o inquérito policial lá de Santo Ângelo, para podermos, finalmente, publicar as caras nuas e cruas dessa gente "honrada e com ética". E como diz o meu velho tio Valdomiro, "Eu morro e não vejo tudo".

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Oracy x trofeú


Vejam  notícia que fiz com o amigo Oracy Dornelles sobre um troféu que ele recebeu há poucos dias.

"A notícia do último Expresso sobre o troféu Caio Fernando Abreu quase levou ao infarto uma professora da rede municipal de Educação, que me abordou dizendo que eu deveria era valorizar o significado espiritual do troféu. Isso eu fiz. Mas não poderei mostrá-lo a ninguém. Concluo: Há um belo texto de Caio impresso nesse troféu, e logo abaixo diz: do livro 'o afogado'. Caio nunca escreveu livro com esse título! Deve ser algum inédito que a secretaria tem... Infelizmente, sem a retificação dessa gafe não poderei mostrar à irmã de Caio, ou a algum intelectual sério, a 'minha gloriosa tabuinha!"

Oracy Dornelles


Tritícola mal das pernas


A edição de sexta terá uma baita entrevista com o presidente da  Cooperativa Tritícola, o senhor Leandro Ferreira. As perguntas já estão com ele e espero que as responda sem pestanejar. O melhor remédio para a crise, é enfrentá-la. E concordo com estas frases proferidas pelo próprio:

"Temos que enfrentar os desafios e com o apoio dos nossos associados vamos conseguir reverter esta situação.” 

Medidas duras serão tomadas, pois o momento não é para panos quentes.” 

Leandro Ferreira, presidente da Cooperativa Tritícola.

Chicão para deputado?


Mal assentou a poeira das eleições municipais e os políticos de Santiago pensam em 2010. Já estão circulando adesivos sugerindo que o prefeito Chicão seja candidato a deputado estadual. Essa simples propaganda movimentou diversos setores do PP e já criou polêmica, afinal, o prefeito tiraria a vaga do deputado Marco Peixoto? Se depende do vereador Miguel Bianchini a resposta é sim. Na última sessão da Câmara, ele abriu a campanha (e o voto) para Chicão. "Esse homem não pode sair da política e defendemos o seu nome para deputado estadual pelo seu caráter e idoneidade na defesa de nossa região", disse Bianchini, o segundo vereador mais votado do último pleito. Outros que já apóia abertamente o nome de Chicão para deputado é Pelé, que retornará à Câmara em janeiro. Ele foi um dos primeiros a exibir o adesivo apoiando o prefeito em seu veículo.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Expresso na feira 
e na TV Argentina

O jornal Expresso também marcou presença na ExpoSantiago. Em sua estande, era possível assinar o jornal e ganhar brindes: bonés, chaveiros, canetas, tudo com a marca do jornal que acaba de fazer 15 anos. Até mesmo a TV argentina, de Porto Iguaçu, fez reportagem com este diretor. Um orgulho, para nós, brasileiros. 


Leitor ilustre


Entre as muitas visitas, destacou-se a do professor Jomar João Donadel, representante do CEFET - Centro Federal Tecnológico, de São Vicente. Na oportunidade, Donadel ainda quis meu autógrafo no  livro, 20 Anos de Jornalismo, que saiu do estande do Expresso para a estante do professor. Outro orgulho para nossa equipe de trabalho, ainda mais se tratando do xará Donadel, pessoa que muito admiro.

Bianchini senta o pau!


E não é que o Bombeiro de Ferro veio com tudo após as eleições? Bem feito! Se ele já não tinha papas na língua antes de ser reeleito, imaginem agora, com um caminhão de votos desses! Será cada vez mais difícil de conter a locomotiva. Ela seguirá dizendo o que acha, o que quer, quando quiser e o que entender ser certo. 

Duras críticas

Entre as duras críticas do segundo o vereador mais votado de Santiago, estão algumas pauladas contra os companheiros de Câmara e contra os políticos compradores de voto, alarmentos, boateiros plantonistas, entre outras cobras e lagartos. 

Fogo amigo

A mais forte cacetada do vereador foi em relação ao trabalho dos próprios parlamentares. Disse que, mesmo na campanha eleitoral, ficava até as madrugadas estudando a Lei de Diretrizes Orçamentárias (dá preguiça até de pronunciar esse enorme título) e, para sua surpresa, ao chegar na câmara, não havia vereadores dispostos a discutir o que ele acabara de estudar.

Falando às paredes

Também narrou que o pessoal da área da saúde foi à câmara fazer audiência pública para tratar de assuntos importantes e acabou falando às paredes, ou seja, para dois vereadores apenas, com um público mais minguado ainda. Fato semelhante ocorreu com o secretário da Fazenda, em outra audiência pública.

O roubo de jornal
e o voto marcado

Pra encerrar seu falatório no programa do Giba, Bianchini deu uma raspadinha na questão "roubo de jornal", chamando de burros os dois marmanjos que não mediram as conseqüências, nem sequer imaginando que o jornal, por ser de pequena tiragem, poderia ser rodado novamente. Também abominou os políticos que têm a péssima mania de cadastrar os eleitores que eles ajudam, contando com o voto certo. "Isso é uma covardia! O voto é um direito sagrado de cada um", desabafou o vereador. 

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Fim de feira!


O povo parou para apreciar as fotos e as charges do Expresso

Feira, show, remate, corrida (e correria)... Cá estamos após um final de semana agitadíssimo em Santiago. Tudo começou quarta-feira com a visita da nossa embaixatriz Mônica Leal e a abertura da ExpoSantiago, só finalizando no domingo à noite. A colega Sandra e sua equipe, mais uma vez arrebentaram com o sucesso do estande do Expresso. E aqui deixo, de ante mão, os agradecimentos à Padaria Fronteira. Graças a essa empresa, o Expresso distribuiu umas 200 fatias de bolo aos expositores e ainda sobrou para o lanchinho de hoje à tarde, aqui na redação.

Ruy, Gessinger (D) chegando em primeiro, conforme determina o cone
O tombo do Pirico (peixinho)...
... e do Omar Wening.


Loteca dos cai-cai

A empolgação foi grande com a Loteca dos cai-cai. Me perdoem, amigos que caíram, mas um tombo é "cousa" feia! Menos mal que, no outro ano, a pista era de grama. Eu Não corri desta vez, pois em 2007 fiz uma fiasqueira medonha ao perder pro Marco Peixoto, quando todos tinham apostado em mim. Após a corrida, queriam justificativas e eu só disse que a derrota não se explica, se assume.
Pois neste ano, fiquei mais feliz que outrora, já que a colega Sandra venceu de novo e o amigo Ruy, também representante do Expresso (a meu ver) também venceu, embora alguém não tenha admitido. Temos tudo filmado e fotografado, dá para ver que a diferença foi pouca, mas ela existiu de fato. Mas tudo bem, o Ruy (que é grandioso) aceitou o empate e barco pra frente!
Eu volto amanhã!

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Santiago adotou Mônica Leal


Nesta foto, um registro da visita da secretária Mônica à guarnição dos bombeiros, onde fomos gentilmente recebidos pelo capitão Sobrinho. 

Encerra-se mais uma edição do nosso superExpresso. Em seguida, ele estará na bancas e nas casas de nossos leitores com parte da cobertura da feira, do festival, e, claro, com as notícias corriqueiras. Devo acrescentar que essa edição é especial para toda a família Expresso, porque recebemos visitas ilustres, tanto na redação quando no nosso estande na ExpoSantiago. A maior celebridade é Mônica Leal, secretária de Cultura que veio representando a governadora Yeda Crusius. 


Na foto, a Suzana, Sandra, eu e a secretária: um brinde à grande amizade com Santiago

Jantar entre amigos

E para minha alegria ainda maior, na quarta à noite a recebi em minha casa para um jantar entre amigos. Todos da família, do jornal e, afirmo sem medo de errar, os que a conheceram em Santiago, estão maravilhados com a sua desenvoltura, conhecimento e, a cima de tudo, simpatia. Em todos os lugares que visitou, ela sempre diz que adotou  Santiago, mas acho que não é bem assim. Foi Santiago que adotou a querida secretária, cuja agenda a cada dia fica mais extensa, com gente convidando para vistas, jantares... Será que ela vai conseguir ir embora?

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

O velho Noel ainda vive...

Em um recente livro, descrevi meus maiores gostos, dentre os quais, a música gaúcha, mas aquela autêntica, como a cantada pela consagrada voz de Noel Guarany, bossoroquense que morreu há alguns anos, e que foi responsável por capitanear a gurizada (magra) para os eventos nativos. Noel ensinou a juventude a vestir bombacha, a pegar a cuia e matear na praça. (Vejam, saiu um verso, seria a alma do Guarany?) Este payador revolucionou esta coisa linda que é o amor pelas culturas sulinas e cantou isso ao som das cordas de seu pinho em vários países do Prata. E para gáudio meu, nesta semana recebi o amigo Júlio Saldanha na redação. Ele veio me mostrar o pala velho, que para mim, está mais novo do que nunca, principalmente em minha memória, por lembrar que foi esse pedaço de pano que inspirou o homem que está enterrado em Bossoroca,  a escrever a mais bela obra de sua carreira: Romance do Pala Velho".


...na memória de sua gente

O pala veio parar nas mãos do cantor Júlio Saldanha não por acaso. Este santiaguense, também dono de uma bela voz, de um valor inestimável para nossa cultura, é amigo de Chico Gindri, cujo pai (Nei), ex-amigo do Noel, tinha a posse da relíquia. Júlio, então, avistou a velha vestimenta na casa de Chico e não teve dúvidas, a requisitou pra si. Depois de andar em Mato Grosso, a inspiração do finado Noel e, oxalá, do nosso querido Júlio Saldanha, repousa em Santiago, em sua casa. 

Amizade, orgulho de gaúcho

E eu, pobre mortal, onde entro nesta história? Me insiro justo no momento em que este amigo cantor me trouxe o pala pra eu ver, aqui na redação. Melhor, ele mesmo o colocou em mim para esta foto histórica. Quando que eu iria imaginar, lá na minha infância pobre e sofrida, que um dia estaria sobre meus ombros tão valoroso material? E não estaria, caso eu não tivesse vindo para Santiago e ficado amigo do Júlio, amizade da qual me orgulho muito, mais que do pala que ele ora me empresta.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Fim, Serafim!


Minha contribuição aos leitores de Capão do Cipó é mais uma charge, na qual aparecem o novo prefeito e este que vos fala, consumando o "fim da era Serafim". 

Retorno
Não pude escrever nada antes desta segunda-feira chuvosa, já que me retirei da cidade no final de semana. Hoje retorno e, de ante mão, aviso a todos que praticamente não há Expresso nas bancas, isso porque a edição foi recorde mais uma vez. Deve ser o calor das eleições.

Dupla derrota
Dei uma volta por aí e pude perceber que a ressaca pós-eleição ainda é grande. Nem a chuva adiantou. Pior mesmo são os que não admitem a derrota e acabam, com isso, perdendo duas vezes. Uma para as urnas, outra para suas próprias consciências.

Grandeza escassa
Friso nas teclas "admitir", "aceitar", porque vejo isso como grandeza, uma prática de poucas pessoas. O bem bom é ignorar o assunto, quando não vamos bem em certas batalhas, ou então, fazer o pior: que é atribuir a outrem os nossos fracassos. 
Até amanhã, amigos!

quinta-feira, 9 de outubro de 2008


Marquinhos Peixoto
O menino de 2.516 votos


Em 1988, o jovem Marco Peixoto elegeu-se vereador com a maior votação do município. Foi à presidência da Câmara no ano seguinte e, em 1990, elegeu-se deputado estadual pelo PP. Na época, seu filho menor ainda era uma criança de 8 anos e seu pai, incapaz de prever que 20 anos depois a façanha se repetiria. Hoje, Marcos Peixoto (filho) inicia a trajetória política no rastro do pai, sendo também o vereador mais votado, com 2.516 votos. "Trabalhei muito na campanha e essa aprovação é um grande prêmio. Dedico minha vitória a Deus, pois rezava todos os dias. Depois, à minha família, ao meu pai e aos amigos" disse, prometendo muito trabalho.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Comentário de Capão do Cipó

O funcionário público Giovani Diedrich lançou este comentário sobre meu texto abordando Capão do Cipó. Pelo jeito, ele é quase filósofo, pois sabe muito bem que: "O que é certo é certo e o que é errado, é errado", conforme destaca em seu blogue. Depois de uma dedução brilhante dessas, vamos ao seu texto e à sua crítica, a qual é bem-vinda sempre, pois mostra que a democracia está em alta e, sobretudo, que este blogueiro é lido na amada Capão do Cipó. Obrigado a ele e aos leitores de lá. A seguir:

As coisas como elas realmente são

Gostaria de esclarecer que no Capão do Cipó não existe "sem terra", existe assentados em assentamentos da reforma agrária. No Capão do Cipó existe muitos assinantes do Expresso, indignados da forma que o Expresso coloca as notícias de Capão do Cipó, sempre puxando "a brasa pro assado" de um grupo político.

Quanto a questão do Vereador Alacir, o povo o elegeu novamente e o Garaialdi não achamos nem o rastro em Capão do Cipó, sai daqui com o "pala em tira"

Quanto a questão da sabotagem nas máquinas da Prefeitura o intrigante é o seguinte: Domingo 18:00 h ainda havia pessoas circulando dentro do pátio da Prefeitura, em seguida sai o resultado das urnas, em seguida ao escurecer, incrivelmente sem uma nuvem no céu a cidade sofre um blecaute e no outro dia as máquinas aparecem sabotadas. Intrigante?????????
Ainda mais pelo fato de que a Prefeitura e o parque de máquinas são cercados por grades e muros com mais de 2m de altura..

E uma pergunta eu deixo. Quem será que tem interesse em danificar às máquinas?

A resposta vamos esperar pra ver se a polícia acha.

8 de Outubro de 2008 17:57

Nasce um político


Ontem fomos embora tardão da noite, com temperatura na casa dos 7 graus. Antes claro, passamos no amigo Davi Vernier para cumprimentarmos o fenômeno em votação. Até saboreamos uma gostosa pizza Comilona, já que estava na hora do lanche da sua equipe.
Conheço o Davi não é de hoje. Desde quando estava no CTG Coxilha de Ronda. Na época, fazíamos informativos daquela entidade lá na redação do Expresso, em frente à Rádio Santiago. E tem outra: os mais de dois mil votos do Davi vieram de todas as camadas sociais. Gente que sempre viu suas ações, seu equilíbrio, sua postura e, agora, viu que ele deveria mesmo estar na câmara. Também penso assim e não vejo a hora do Davi começar a trabalhar por todos nós e pela região. Como diz o Márcio, o Davi é o "velho (conhecido) novo".

Comentário

Com muito orgulho, publico o comentário do meu amigo Ruy Gessinger, o qual admiro muito, não só pela inteligência e conhecimento vasto que possui, mas pela coerência em tudo o que faz.

Lemes:
A vida é uma só. Temos que continuar sendo um paraíso de paz e não um feudo com alguns riquinhos em suas mansões cercadas, com cinturões de miséria em volta.
Ruy.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

A eleição da "mudança"


Mudança, essa foi a palavra mais falada nessas eleições. Pena que poucos devem ter perguntado ao povo se ele queria que mudasse. Eu mesmo, sempre questionei esse negócio de fábricas que acabariam trazendo mão-de-obra de fora (é preciso qualificar primeiro) e em dois tempos, os bolsões de miséria estariam formados, fora do alcance do poder público. Aí, adeus sossego, como acontece em Rio Grande, Pelotas, Caxias, cidades superdesenvolvidas à base de suas gigantescas fábricas.

Mudanças II - Que isto sirva de lição: antes de prometermos mudanças, perguntaremos se o povo as quer e, sobretudo, de que forma elas virão. Que a tal mudança não seja apenas o ato de trocar gente deles pelas nossas. Agora, com a eleição terminada, bandeira enrolada, caras felizes, outras amarradas, o que fica é a ressaca pós-pleito, vomitando justificativas. "Fulano não me apoiou... se eu tivesse mais dinheiro... meus votos migraram... a mídia me prejudicou..." Na próxima, vamos começar a mudança por nós e, quando nos rejeitarem nas urnas, agiremos sem recalques, sem justificativas à toa. Apenas diremos: "fui rejeitado pelo povo". Pronto!

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Capão do Cipó


Tiros, protestos...

A segunda-feira seria morna. Não foi. Ao chegar no jornal, me deparei com uma denúncia de que Capão do Cipó incendiava. Não me refiro às queimadas de campo. Falo do calor das eleições. Ainda mais que até um baleado estava hospitalizado. Além das balas, alguém colocara açúcar no angu, ou melhor, nos motores das patrolas, deixando a prefeitura sem equipamentos de trabalho. Diante de tantos fatos, reforçados pela notícia de que uma turma do candidato vitorioso (Osvaldo Froner) havia acampado na frente à Prefeitura, fazendo protestos e insinuações provocativas aos funcionários municipais, convidei o Márcio e nos tocamos pra lá.

Fatos políticos...

Fomos rápido. Queria pegar a saída dos funcionários às 14 horas para ver se não daria nenhum bolor. Na chegada, vendo que o tigre havia sido pintado maior do que era, comecei a cumprimentar amigos na saída da prefeitura. Ao me virar pro lado, vejo o Márcio no meio da indiada eufórica, que por serem do PP, estavam brabos com o Expresso por causa das matérias sobre Alacir Dessoe, aquele presidente da Câmara cipoense que sofre CPI, suspeito de falsidade ideológica lá em Manoel Viana, lembram?


Grito da vitória

Assim que o Márcio chegou no grupo, foi cercado pelos manifestantes, alguns sem-terra (eu acho), que bebiam e flauteavam com cartazes do tipo "Dai a César o que é de César" - provocando o candidato derrotado, que, segundo eles, deveria pegar a estrada de volta para sua terra, São Miguel. (Aprenderam a fazer trocadilho com o Araponga?). Logo que se viu cercado, o Márcio, que não é bobo nem nada, e vendo que a manifestação era apenas uma maneira de festejar a vitória, sem ofensa (pelo menos não ali, naquela hora diante das câmeras do Expresso) contou logo o motivo de sua chegada: fotografar os festejos da vitória. Em segundos, os manifestantes prontamente posaram para esta foto que lhes entrego em primeira mão.

Osvaldo Froner: equilíbrio e humildade

Dali da praça do manifesto fomos ver as patrolas com o tal de açúcar no motor. Fotos, entrevista com o secretário de obras, acusações daqui e dali, novamente pegamos a estrada. A jovem Michele, que festejava na praça, e seu amigo "Rambo", pegaram carona conosco para nos guiar à casa do vitorioso Osvaldo Froner, que à sombra, confabulava com seus correligionários.
-Ôh, de casa! - Pedimos licença, chegamos e aí que houve a apresentação formal entre este blogueiro e o novo prefeito que, por ser tímido (diz ele), não havia nem procurado o jornal. Trocamos idéias, Froner analisou a campanha, criticou os vândalos que estragaram as máquinas com açúcar e, depois, posou pra fotos. Ao final da entrevista, uma certeza: O novo prefeito cipoense me pareceu muito humilde, centrado e respeitador, pois não atacou ninguém. Feito isso, voltamos para Santiago na certeza do dever cumprido. O resto sai no Expresso.

domingo, 5 de outubro de 2008

Charge atualizada

Ela ficou fora da edição para não tumultuar o pleito, por antecipação, mas agora dá para publicar mais um trabalho artístico do jornal Expresso Ilustrado. Vejam aí o vereador mais votado de Santiago, lógico, ao lado do seu grande pai-padrinho. Também se observa a dupla Ruivo e Toninho com outro padrinho não menos forte que o deputado Marco, que é o fenômeno Chicão, dizendo a tradicional frase de campanha: Ruivo, Toninho, agora é com vocês.

Minha Câmara

Faltam 15 minutos para encerrar a votação em todo o Brasil e, como prometido, aqui está a "minha Câmara de Vereadores", mais ou menos em ordem de votação:

Marcos Peixoto (PP)
Bianchini (PP)
Accácio (PMDB)
Pelé (PP)
Cláudio Cardoso (PP)

Diniz Cogo (PMDB)
Nélson Abreu (PDT)
Mara Rebelo (PP)
Davi Vernier (PP)
Algeu Disconzi (PMDB)

sábado, 4 de outubro de 2008

Errata

Na postagem de ontem, "O estouro é que é legal", cometi um erro. Na frase onde se lê "caso atípico em Santiago, o candidato Sandro Palma sair atrás de Vulmar", leia-se: "Caso atípico em Santiago, Vaulmar sair atrás de Sandro Palma".
Eu volto mais tarde.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

O estouro que é legal!

O Expresso atrasou um pouco, dado ao tamanho da edição. Mas desde às 9 está circulando com todas as quentinhas da semana e a pesquisa eleitoral. Para mim, um caso atípico em Santiago, o Sandro Palma sair atrás do Vulmar, mas a voz do povo é a de Deus. Fazer o que se o homem tem uma baita rejeição. Você, que ainda não leu, não espere eu te dar os números por aqui. Afinal, precisamos vender jornal e garantir o leitinho aqui pra casa.

Esquartejamento - Só pra constar: dizem que em Jaguari vai haver um telão em plena praça com as ditas imagens do furto de jornal. Será o legítimo caso do "esquartejamento em praça pública"

Outro estouro
E em Santiago, já soube que alguém mandou copiar uns mil cds para largar na população e mostrar as verdadeiras caras de certos (éticos) políticos. E não esqueça. Vai vendo este show de imagens enquanto eu tomo um café. Volto depois com outro estouro e que pode comprometer até a credibilidade de nossas autoridades. Aquelas filiadas a partidos, claro. Também publicarei a minha "Câmara de Vereadores".

Furto de jornal



Cumprindo com o dever de informar, como sempre fiz e honrando a minha promessa, eis as imagens do furto de um jornal na rodoviária de Santo Ângelo. Não vou dizer os nomes. Deixo isso a critério da população. Para ela mesma verificar e descobrir quem são.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

Isenção pro beleléu

Eu disse que voltaria e, cá estou, só pra lembrar que algumas denúncias de boataria surgiram nas últimas horas, como é de praxe em todas as eleições. Ao que tudo indica, tem gente disparando pra delegacia na tentativa de ferrar algum candidato, mas convém dizer: que, diferente do juiz e do promotor, que não têm bandeira partidária nenhuma, os delegados de nossa bela Santiago não podem dizer o mesmo. Todos os dois são envolvidos com os partidos que concorrem nesta eleição em Santiago. Portanto: qualquer decisão deles estaria sujeita a cair em descrédito.

Edição quase encerrada


Estamos encerrando as atividades aqui no Expresso. Dentre poucas horas o jornal estará sendo impresso, recheado de novidades e ótimas coberturas jornalísticas, assinalando como sempre a sua sexta-feira. E volto a frisar: acabei de digitar os últimos números da pesquisa eleitoral. Foram várias tentativas de impugnação, mas no final, a Justiça triunfou e o Expresso venceu. Tudo caminha para mais um compromisso honrado. Volto mais tarde, quando tiver de posse do bem dito cd com as imagens do ladrão de jornais.

Roubo do jornal

Parece que a coisa vai mesmo encrespar para um santiaguense bem conhecido, que roubou o jornal lá em Santo Ângelo e, lá pela meia-tarde, as imagens deverão estar nas minhas mãos e, lógico, pela região inteira. E não será mera fofoca de bastidores ou panfletagem sem origem, mas algo nu e cru, ali, bem à frente dos olhos da gente, para olharmos quantas vezes quisermos. Desta, nem com reza de padre ele vai escapar, pois é um escândalo sem precedentes, do tipo mais baixo possível.

Vejam agora a notícia que saiu no jornal A tribuna, de Santo Ângelo, ainda sem os nomes dos envolvidos.


Jornal Correio Regional de Santiago
é roubado da rodoviária de Santo Ângelo

Um fato inusitado aconteceu nas primeiras horas de quarta-feira, 01 de outubro.
Como costumeiramente faz todos os dias, a Central de Impressão do diário A Tribuna Regional, distribui, através da Rodoviária de Santo Ângelo, os jornais que são impressos em suas oficinas gráficas. São dezenas de jornais, entre eles o "Correio Regional" de Santiago, que nesta última quarta-feira, não chegou ao seu destino no horário de costume.
Assim que a direção do Correio Regional deu falta do jornal, entrou em contato com a gráfica responsável pela impressão e pediu explicação pelo atraso na entrega do jornal. Informado pela empresa que o jornal havia sido despachado e colocado, por volta das 6 horas da manhã de quarta-feira, no setor competente da rodoviária, foi dado inicio a uma busca pelas rodoviárias da região sem êxito. Após várias horas de buscas e já desistindo da procura, a empresa responsável pela impressão resolveu pedir as fitas das câmeras de segurança da rodoviária, que após uma rápida avaliação das imagens gravadas, constatou que os pacotes, contendo os jornais, haviam sido retirados de dentro da sala de despachos da rodoviária, por três indivíduos. De posse do cd com as imagens, a gráfica informou a direção do Correio Regional, que imediatamente se deslocou para Santo Ângelo e registrou queixa na Delegacia de Polícia local e reimprimiu o jornal, que circulou ainda na noite do dia 01 de outubro.
Segundo informações do diretor do Correio Regional, Leonardo Rosado de Souza, um dos suspeitos é muito conhecido na comunidade de Santiago. Leonardo acredita que o motivo do sumiço da edição do Correio Regional, seja a enquete eleitoral das cidades de Jaguari e Unistalda, que o jornal publicou nesta edição

A charge que não sai


Esta charge, os leitores não verão no Expresso desta semana, pois achei que ela poderia propagandear os candidatos do PP e alguém ainda poderia pensar que o jornal estava antevendo o final da eleição. Melhor boicotá-la. É uma boa idéia, melhor ainda os traços do Sidi, mas deixa assim, Talvez, mais adiante a gente publique. Talvez...

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Fábrica de boatos

Mais uma vez volto ao referido assunto do jornal sumido. E com relação à filmagem, feita pelas câmeras da estação rodoviária de Santo Ângelo, ainda não tenho nada. Por outro lado, recebi ligação de amigos que conheço muito bem, lá de Jaguari, de que é preciso mesmo revelar os autores para evitar a botaria, muito mais em Jaguari, foco da coisa.

Nota no Jaguar - Lembro, então, aos leitores, que publicarei uma nota no jornal que também edito, o Jaguar Regional, pedindo que parem de acusar este ou aquele sem saber de nada. Eu confesso aos senhores, que tudo indica, que seja alguém de Santiago o autor da bravata, furtando os ditos fardos de jornal da rodoviária, o que não foi difícil, pois deveriam se resumir em poucos volumes.
Volto mais tarde com mais informações.

Mais bomba!

Publico agora e-mail do meu amigo de Santo Ângelo, sobre o recente fato do roubo dos jornais do Leonardinho, que agora é Leonardão (Tá gordo)

Certo, João.
Mas pelo que sei, foi roubado da Rodoviária de Santo Ângelo, inclusive ele pagou por uma nova "reimpressão" e esta nesse momento aqui na rodoviária, tentando "elucidar" o ocorrido. Não via as imagens, mas são duas pessoas que às 5:59 da madrugada, "recolheram" os jornais que aguardava o ônibus, no box da empresa que faz a linha Santo Ângelo/Santiago.
Abraços

Júlio Prates publicou

O diretor do jornal Correio Regional, acompanhado pela polícia civil de Santo Ãngelo, está, nesse momento, identificando a fita das câmeras de segurança da estação rodoviária de Santo Angelo. O jornal foi furtado, de dentro do ônibus, as 6 horas da manhã, por 3 indivíduos, possivelmente um de Santiago e dois de Jaguari. Nesse momento, repito, está sendo feito o reconhecimento dos autores. O furto do jornal foi idealizado por um grupo político que queria evitar a divulgação de enquetes eleitorais. Sabe-se, de antemão, que os autores do crime são todos militantes de um mesmo lado ideológico.

Amigo Júlio: já contatei meus amigos de Santo Angelo e estou no aguardo das imagens para publicar na internet. Como diria o Datena, eu quero as imagens...
Um abraço. João Lemes

semana quente!

Eta semanazinha quente! Ufa! É serviço que não acaba mais, e-mail chegando, gente me especulando daqui e dali, o Taborda de molho em casa, ainda meio entorpecido de tanto remédio...
Mas vamos lá. Tocamos o barco, como diria meu compadre Itacir Flores. A edição está quase pronta e a pesquisa vai sair, pois sei que era isso que o querido leitor queria saber.

Cúpula da Maldade

E digo mais: os fazedores de enquetes estão a mil por aí, com gente saindo de Santiago para aprontar lá em outras plagas, sem saber que seriam flagrados com a boca na botija. Orre bem feito! Querem ser tão inteligentes e nem se deram ao luxo de pedir para outro fazer a coisa suja. De certo são do tipo: quer algo bem feito? Faça você mesmo.
(Depois eu relato bem essa historinha envolvendo a Cúpula da Maldade)