quinta-feira, 31 de dezembro de 2009

A quinta tá com cara de sexta, seria por causa do Expresso que circulou hoje?

Soube que o Capitão Sobrinho vai cair da área. Transferência à vista. Vai respirar outros ares e cantar noutra freguesia.

O que mais irão vender neste final de ano é Polar. Vejam esta notícia no Expresso de hoje.

Em Capão do Cipó o Expresso circula um pouco mais tarde, mas a notícia de que o jornal trazia um balanço sobre a administração Froner chegou antes àquele torrão.

Andei viajando e quando voltava pra casa (madrugada), um louco se meteu na frente do carro, de braços abertos, querendo morrer. Foi o quanto desviei do infeliz ali na BR 287.

Quase encerro o ano com uma morte nas costas. Eu fora. Vai morrer nas mãos de outro.

FELIZ 2010, QUERIDOS LEITORES.

Sobre o presídio

Diretor comenta carta
do leitor do Expresso

Fiquei sabendo da carta, por meio do Paulo e do Denilson aí do jornal. Agradeço o espaço que me foi disponibilizado para justificar.

Volto a repetir o que enviei a esse respeitado órgão da imprensa: - o uso de telefones celulares e drogas nos presídios não é fato isolado de Santiago, infelizmente trata-se de uma das tantas mazelas do nosso sistema carcerário.

Quando o autor da carta fala que nada é feito, é mentira, pois tentamos coibir de todas as formas possíveis a entrada, bem como o uso desses materiais ilícitos, o que nem sempre é combatido com 100% de resultado.

Ocorreu inclusive a tentativa de jogar uma arma municiada para dentro do Presídio, o que foi interceptada pelos Agentes, assim como várias vezes foram retirados celulares durante as revistas diárias nas celas. Alimentos, assim como materiais de higiene e tantos outros objetos são permitidos serem levados pelos visitantes.

O que exiate são normas e horários para essa entrada, que devem ser cumpridas. Se alguma vez não foi permitida a entrada de algum alimento é porque se tratava de algo proibido ou foi levado fora do horário. A Administração nada tem a esconder da comunidade, ou acobertar atos que venham a denegrir a imagem e o trabalho desenvolvido pelos servidores daquele Estrabelecimento.

Coloco-me a inteira disposição para maiores esclarecimentos.
Um grande abraço,

Ronaldo Lavarda
Administrador

Último dia para as armas
IRREGULARES

Esta quinta,31, é o último prazo para quem não recadastrou sua arma. A legalização pode ser feita nas lojas credenciadas, Correios, Polícia Federal ou site www.recadastramento.org.br. Mais de três milhões de armas foram legalizadas no país desde o início do ano. A partir de 1º de janeiro, quem for flagrado ilegal pode ser preso.

quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

As últimas

Estamos encerrando as atividades aqui no Expresso, lembrando que a edição de Ano-Novo estará nas ruas a partir das oito da manhã.

Não digo que teremos novidades porque seria chover no molhado, apenas lembro que o Expresso é aguardado porque ele sabe surpreender o leitor. Isso é novidade?
Na nossa política, apenas algumas rusgas partidárias antes do final do ano, o que também não é novidade, pois esses políticos sempre dão um jeitinho de roubarem a cena.

E a tal presidência da Câmara! Entra ano e sai ano é a mesma novela. Quem assume, não quer largar. E pela lei, não precisa largar mesmo, ou larga quando quiser.
Bom seria se eles mexessem no regimento interno, lei orgânica, ou sei lá, no que, e acabassem de uma vez com essa palhaçada, como bem disse um colega aqui na redação.

É só mudar para que a eleição da presidência, de agora em diante, seja de ano em ano, e não de dois em dois como vem ocorrendo. Aí sim, acaba com a baderna do largo-não-largo. De mais a mais, cabe dizer que esta questão afeta os políticos, os partidos e até os ditos companheiros, menos a população de um modo geral.
Era isso, por hoje.
Centro Empresarial

Analisando as entrevistas do atual e do seguinte presidente do CES - Centro Empresarial, notei que há um desgaste na imagem da entidade. Por mais que o Ivori Guasso dissesse que tudo está bem, e que Elton Doeler não o desmentisse, as entrelinhas falam por si. Senão vejamos:

Unir o "desunido"

Doeler disse que retornou para "unir" as correntes empresariais. Mais adiante acrescenta que fará um jantar de posse com uma grande banda, lotando o clube para se ter expressiva repercussão, dando ao CES o destaque e prestígio que "realmente" possui.

Análise - Para se unir é preciso estar desunido. Óbvio. E para se dar o "destaque e prestígio" que merece, demonstra que o CES está sem esses dois adjetivos.

Finalizando: sabe-se que toda a entidade precisa lavar a roupa repensar erros e acertos e recomeçar. Com o CES também é assim e nada melhor que dar suas rédeas aos competentes Elton Doeler e Elaine Manzoni, afinal, o CES precisa avançar, se superar, se fortalecer.
Seguro-desemprego
jeitinho brasileiro?

É incrível a capacidade de alguns em saber aproveitar cada benefício que vem do governo. Esse seguro-desemprego, por exemplo. Quase todos os que o recebem esperam até a última parcela para procurar emprego. Pior: dizem ao novo patrão a velha frase: "Não assine minha carteira agora. Quero receber até a última parcela do seguro".

Pato povo, pagando

E para quem acha que algo irá mudar, engana-se. Com o aumento de 10% vai ser só neguinho coçando por aí e vivendo à custa do governo, que por sua vez, suga os demais "patos" que têm condições de arcar com os pesados impostos.

Negros e gordos, fora!

Falando nisso, a última notícia dos órgãos responsáveis pelo encaminhamento de pessoal às empresas é que elas não contratam os gordos, muito menos negros. O problema vai além quando a Justiça não pode agir nesses casos por não ter provas de que o candidato foi rejeitado devido à aparência. É o Brasil!

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Frase do dia

- O casamento é o preço que os homens pagam pelo sexo; o sexo é o preço que as mulheres pagam pelo casamento. (Anônimo)


Eu e as tradições

Participei de mais uma boa conversa com jovens, desta vez, com os tradicionalistas, integrantes das invernadas de dança do CTG Coxilha de Ronda. Alguns pais e a patronagem também se fizeram presentes no encontro.

Mais uma vez abordei minha trajetória, desde alguns fatos da infância já registrados no meu livro até a fundação do Expresso Ilustrado.

Disse a eles que aprendi mais foi na escola da vida, mas reconheço que o CTG é um dos poucos lugares onde os pais podem deixar seus filhos sem nenhuma preocupação. E se a escola é a segunda família, o CTG é a terceira".

Na despedida, o livro 20 Anos de Jornalismo foi deixado com a patronagem para ser oferecido aos sócios e seus filhos em forma de rodízio.

Agradeço pelo convite ao Patrão Ronaldo Lavarda, ao professor Arami Pereira Espero não ter decepcionado o público. Também agradeço ao ex-patrão Leonir Minuzzi, o qual também participou do encontro, a exemplo de tantos outros tradicionalistas de renome.
Publico esta carta aqui no blogue, mas, para poder sair no jornal, terei que averiguar essa situação. Hoje mesmo vou ligar ao meu amigo Ronaldo Lavarda, pois não acredito na denúncia, mas a divulgo para que meus leitores saibam que tipo de carta recebemos no nosso dia-a-dia aqui no Expresso.

Denúncia no presídio

Senhor, dono do Expresso: estou escrevendo para fazer uma denúncia grave. Há dois anos tive dois filhos presos e sempre que ia visitá-los, levava alguns alimentos. Em muitas vezes fui impedida de entregar aos meus filhos.

Mas tudo bem, lei é lei. Só que hoje, aqui no presídio, os presos estão por meio de aparelhos celulares, se comunicando com quem está lá fora, e isso é muito grave. O diretor do presídio já está sabendo e até agora não tomou nenhuma providência.

Espero que as autoridades tomem, se não daqui alguns dias teremos em Santiago, vendas de drogas, e os crimes sendo comandados direto do presídio.

Senhores, vocês que têm familiares presos, quando forem visitar, não esqueçam que alimentos não se pode entregar, somente é permitido o uso de drogas e aparelhos celulares. E já que os funcionários permitem o uso dos mesmos, ao menos as autoridades façam algo.

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

Más línguas

Um rastilho de pólvora corre pela cidade. Dizem que uma alta personalidade teria matado a esposa por causa de um amante. Detesto essas cosias de boataria e fofocas, e só estou falando porque é tudo mentira da braba. EU FORA DESSAS BOAS LÍNGUAS

Meu Natal

Meu Natal foi ótimo. Não ganhei muitos presentes (a postagem do dia de Natal foi uma ironia) mas ganhei muitas visitas de amigos queridos. De quebra, tirei meu nome na brincadeira de amigo secreto entre os familiares e nem notei. Na hora dos presentes foi uma fiasqueira lá em casa.


E sobre o famoso "espírito de Natal" que todos gostam de falar nesta época, lembro que só existe nas cabeças de alguns, o resto quer mesmo é presentes. E por mais que tentamos mudar o pensamento, não nos aguentamos ao ver as crianças querendo ganhar coisas, nem que seja uma boneca, uma bola... Como se diz, é impossível mudar uma tradição milenar.

À TV, assisti muito pouco, pois apesar e ser fã de Roberto Carlos, reconheço que sua aparição na Globo todo santo final de ano está pra lá de manjada. Mas se o povão gosta, meta que é paleta. Nem falo do resto da programação. E minha sky pirata se foi. Caiu o sinal e não veio até agora. Bem feito!


Agora estamos na redação metendo bala para ver se até quarta estejamos com tudo pronto de novo.

Rememorando

Olha o que a internet nos proporciona. Há muito mais gente lendo meu livro do que eu imaginava. Embora o e-mail esteja meio vago, dá para perceber que a pessoa de fato fez uma leitura de alguns trechos. E que coincidência, ela ter vivo no mesmo lugar que eu. Vejam:

Olá, seja vc quem for!

Passeando pela internet achei seu blog e me chamou atenção porque eu tive minha infância lá nesse lugar. Parte de minha "aborrecência" também. Então, parei para ler e concordo com vc: para viver em um lugar como aquele, não se podia ter olhos e nem ouvidos. Você via e ouvia tudo mas nunca podia falar nada. Tive lá um namorado de quem engravidei.

Ele era uma pessoa boa, mas depois que o abandonei, virou marginal. O abandonei porque tive uma menina e achei que aquele não era um lugar apropriado para criá-la, então mandei ele escolher: ou vem conosco ou fica sem nós. Ele preferiu ficar e começou a beber e a usar drogas. Com isso, envolveu-se com marginais. Eu e minhas filhas deixamos de vê-lo.

Esses dias soube que ele já tem outra família. Espero que esteja feliz. Aquele lugar foi a prisão da minha infância, pois minha mãe não me deixava sair de casa e por isso não quis criar minhas filhas numa prisão domiciliar. Lá você mão vive, apenas SOBREVIVE.

Kelly
kellyijuy@ibest.com.br

sexta-feira, 25 de dezembro de 2009

Meu Natal sem espírito

Passei a semana dizendo aos meus colegas que não escrevessem nada sobre "o verdadeiro sentido do Natal", pois isso é coisa ultrapassada, manjada.

De que adianta ficar dizendo que em vez de pensar em Cristo pensam nas compras etc, etc? Todos dizem sobre o sentido espiritual, mas todos querem também os presentes. Logo, falar deste espírito, como que já disse e repito, é uma bobagem.

Pois não é que o Márcio escreveu esta coisa horrível? Sabia que ele não iria se sofrer. Menos mal que foi no blogue, não no jornal eh,eh,eh.

Por que meu amigo também não disse que o Cristo nasceu numa caverna e que nunca foi louro e que seu pai era pedreiro?

A propósito, falando em "verdadeiro espírito de Natal", o meu Natal foi ótimo. Ganhei muitos presentes e passei boas horas com meus amigos e familiares. Obrigado, Papai Noel. Eu acredito em você.

A quinta-feira corrida, já que o Expresso chegou às 10 da manhã. E como seu dia correto é sexta, não chegou a ser um atraso. Quem sabia que o jornal circularia quinta, perguntou o porquê da demora. Aí respondi: são mais de 100 páginas, dezenas em cores, mas ninguém pensa que isso pode levar um tempo a mais.

Ah, esqueci de dizer algo sobre outro presente de Natal. Saí às ruas quinta e notei que em várias casas o pessoal estava ocupado, sentado à sombra entretido na leitura do jornal de maior tiragem da Fronteira Oeste.

O Expresso Ilustrado, que também traz o vermelho do Natal em suas cores. Deve ser por isso que faz tanto sucesso. Feliz Natal.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Esta notícia é muito boa!
Trégua nos assaltos

Desde 18 de novembro, os municípios do interior do Estado não registram assaltos, arrombamentos, ou tentativas de crimes em agências bancárias. De acordo com o Sindicato dos Bancários, isso não ocorria há quase quatro anos.

Esta é uma piada
Papai Noel dos Correios

Uma carta endereçada ao Papai Noel dos Correios emocionou os carteiros. Era um menino pobre que relatava as dificuldades de seu lar. Os pais estavam desempregados e eles estavam sem dinheiro para a ceia. O menino terminou a carta pedindo R$ 1 mil. Comovidos, os carteiros fizeram uma vaquinha e conseguiram juntar R$ 800 e deixaram num envelope debaixo da porta do guri. Dias depois, ele enviou uma carta agradecendo. "Querido Papai Noel, obrigado pelo dinheiro que mandou. Mas, da próxima vez, não mande pelo Correio. Aqueles ladrões me roubaram R$ 200".

Esta é uma piada
maior ainda

Marchezan confirma
recursos para Jaguari

O deputado estadual Nelson Marchezan Júnior (PSDB) confirmou com a Secretaria de Relações Institucionais, a liberação de R$ 115 mil para Jaguari. Os recursos, priorizados na Consulta Popular 2004/2005, serão destinados para a realização de exames de média e alta complexidade. Isso significa, por exemplo, a realização de mais consultas oftalmológicas, ecografias e cirurgias, beneficiando toda a comunidade de Jaguari.

EM TEMPO - O povo escolhe o que já era obrigação do governo; o governo demora anos para mandar o que o povo escolheu, mas antes disso, surge um deputado para anunciar o que já era do povo. Mas que país é este?

Buenas, e m'espalho!

Minha terça-feira foi corrida. Para nós, aqui do Expresso, ela ocupou o lugar da quarta. Graças à boa equipe, o jornal está praticamente pronto, com pequenos arremates para hoje (quarta). Amanhã, aguardem a superedição.

Enquanto eu montava uma página e outra aqui na redação, dava uma espidada no blogue do Ruy. Vi que ele comentou meu artigo do bêbado da bicicleta. Ainda vi que disse não saber qual era o pior para o alcaide pobre do interior; o frio ou o calor.

(Alto lá, professor Garaialdi! Alcaide não é só o mandatário do município, o prefeito. Alcaide também é um coitado, sem serventia, excluído, ordinário...)

Pois bem. Fui obrigado a dizer ao Ruy que os dois, em demasia, eram ruis. O calor e o frio. O primeiro atrapalha para deitar (dormir); o segundo, para levantar (acordar). Satisfeito?

Quanto às suas regras de antigamente, concordo com todas e ainda digo mais algumas: não sentava-se à mesa antes dos mais velhos ou da visita, e nem abria-se a boca (pra falar, óbvio) em meio aos adultos.

Com o Peixoto firme no Tribunal o assunto passou a ser o herdeiro de seu trono de votos. Leia-se: Chicão. Mas e suas contas, será que passam pela Câmara? O PP terá maioria absoluta? Ou alguém terá que ser "trovado"?

Bela e simpática é Capão do Cipó. Parece que na semana passada teve três prefeitos. Um que estava em Brasília, outro em Porto Alegre e um que estava na prefeitura mesmo, e fazendo desventuras. É um salve-se quem puder medonho.

De quebra, o Dr. Valdir salva a cola de alguns e, aí, um líder do PP diz que o advogado merece honrarias públicas pelos serviços prestados ao povo. Bota povo nisso...

E pelo que eu conheço do dr. Valdir, ele nem aceitaria um troço desses, não com esses termos: honraria pelo que fez ao povo cipoense, sendo que ajudou mesmo foram os do PP. Que turma, hein?

Leiam mais detalhes no Expresso. (Se der, eu volto antes do Natal).
Chumbo guardado

A semana na Câmara rendeu trocas de farpas entre os vereadores Bianchini e Pelé. O primeiro, disse que não iria responder críticas feitas a ele. Mas advertiu. "Se quisesse, teria coisas do senhor para falar". Em contraponto, Pelé disse o mesmo, mas avisou: "Não me cutuque, senão a resposta vem". Os dois estão guardando chumbo.

Sem estresse

O vereador Cláudio Cardoso, considerando que o clima na Câmara estivesse meio atribulado nos últimos dias, deu um recado na última sessão. "Há discussões que saem do foco e partem pro lado pessoal. A gente precisa trabalhar aqui com menos estresse".

Feira de material

Vereador Diniz Cogo resolveu sugerir pela 8ª vez que seja feita em Santiago uma feira de material escolar. Ele diz que várias cidades fazem isso e é uma forma dos empresários venderem mais e das pessoas economizarem.

terça-feira, 22 de dezembro de 2009


Bem-vindo ao século XXI

Até a bem pouco tempo, se mantinha o hábito de escrever cartas. Eu mesmo, tenho uma caixa de sapatos cheia das que recebia das antigas namoradas. Muitas eram perfumadas, enfeitadas, algumas até com a marca do batom... Hoje, graças à tecnologia, o hábito da carta foi sepultado. Em seu lugar, a medonha, prática e rápida internet e o celular. Mas se a tecnologia veio para ajudar, acabou também afastando as pessoas daquele bate-papo olho no olho, já que a maioria só se fala pelo sistema eletrônico. A seguir, alguns exemplos constatados nesse incrível mundo novo do século XXI.

Você lembra da última vez em que escreveu uma carta, ou um simples bilhete a alguém? Claro que não. Você nem sabe o preço de um envelope comum; você já levanta cedo e quase que liga o computador antes do café; no trabalho, envia e-mail ou msn para conversar com quem trabalha ao lado; usa o celular na garagem e pede a alguém que o ajude com as compras; caso esqueça o celular em casa, fica apavorado e volta buscá-lo; a maioria das piadas que você conhece, as recebeu por e-mail e ainda riu sozinho; quando seu computador tranca, parece que foi seu coração; agora você está lendo este texto e concordando com a cabeça, talvez, sorrindo, por saber que tudo é verdade. Então, bem-vindo ao século XXI.
Reflexão

Pensei em começar esta crônica falando do estresse das compras, das festas, das comilanças típicas do Natal. Mas esse tema ninguém mais aguenta. Aí, pensei abordar o estranho sentimento que nos divide a cada fim e ano. Mescla de estresse e alegria. Também sentimos frustração por algo que deu errado. Mas o tema também é batido. Aí me perguntei: o que me angustia mais nesta época? Veja:

Fico muito triste, na véspera de natal, ao observar aquele trabalhador tomando seus últimos goles no boteco a poucas quadras de casa, talvez afogando alguma mágoa que carregou o ano inteiro. Olho a sua bicicleta encostada na parede. Noto que ele passou no mercado e pegou um frango, algumas Cocas e doces pra saborear com a família.

Se eu esperar, verei o sujeito rodopiando, caindo, levantando, na luta pra chegar em casa, onde talvez irá ouvir os espraguejos da mulher e filhos, o chamando de pinguço...Logo ele, que trabalhou tanto e que ainda trazia os petiscos pra ceia, agora via seu esforço aniquilado por aqueles simples copos de cachaça.

Como o Natal é reflexão,
reparto esta crônica com você.

Feliz Natal

Willian, Álisson (Buda), João Henrique e Nirvan (bairro Zamperetti)
Eu queria ter uns filhos assim!
Todos sabem que sou contra as jogatinas de azar, embora saiba que muitas delas são saudáveis, desde que não virem vícios. Os jogos eletrônicos, por exemplo, são os preferidos pela garotada da classe média baixa em diante. Ao mesmo tempo que educam, ensinam e deixam o cérebro mais ágil e preparado, escravizam e tiram a criança do convívio social. Um remédio que vira veneno se exagerado na dose.

Como gente grande
Mas o que eu pretendia dizer era o seguinte: vejam essa turma da foto. Uns ricos duns meninos que sabem direitinho a hora do futebol, do estudo ou do jogo eletrônico. Para variar, arrumaram uma diversão que é um colosso. É esse jogo chamado monopólio, o qual é sucesso por ensinar a criança a ser ágil nos negócios desde cedo. E o que é melhor, não tem nada de eletrônico.

Presente de Natal
Por último, queria dizer que tenho três amados filhos (Fagner, Fernanda e João Henrique), mas foi o caçula, o João, que me deu o maior presente de Natal: seis notas 10 no boletim da 5ª série da URI, sendo duas em Português e Matemática. Ele figura na foto acima e cabe dizer que não está nela por ser meu filho, mas por merecimento e também para, junto com seus amigos, dar um exemplo, até mesmo para seus próprios irmãos...

segunda-feira, 21 de dezembro de 2009

COMENTÁRIO

Caro João Lemes;

Gostaria de parabenizar pelo mais novo integrante do Expresso, o escritor Carlos Giovani Delevati Pasini, autor de várias obras já conhecidas e lidas por mim, como: "A arte educativa", "Monólogo com Deus", "Sob o sol e um céu azul", "A segunda revelação" e "Pedagogia, técnica e tática de corrida de orientação". Isso é muito importante, o reconhecimento deste prestigiado jornal, oportunizando talentos locais.
Cooperativa Tritícola:
Bassin justifica seu salário

Quando assumi como vice-presidente da Tritícola, tinha direito a receber R$ 4.500 - mês. Abri mão de R$ 3 mil, o que dá 36 mil ao ano. Tenho cinco filhos e poderia repartir com eles, mas preferi ajudar o pequeno produtor, aquele que me elegeu juntamente com o Evaristo Ribas. Moro em Vila Branca e desloco-me todos os dias à cidade. Pela parte da manhã dou expediente na Câmara e, à tarde, na cooperativa. Tenho despesas, por isso, recebo três salários mínimos da Tritícola (cerca de 1.380)
Pedro Bassin - vereador e vice-presidente da Cooperativa Trítícola
Caixas eletrônicos

Entre as tantas reclamações sobre os bancos destaco esta, de um amigo; "O Banrisul encerra seu caixa eletrônico às 10 da noite, uma hora depois de escurecer. Isso é o cúmulo, pois Santiago tem suas noites bem movimentadas no verão", reclamou o santiaguense.

domingo, 20 de dezembro de 2009

As últimas

Calorão em Santiago, nublado, talvez chova. Eu me encontro na redução, pau e pau. Vamos lidando meio solito, pois ninguém da turma apareceu ainda.

Já tenho algumas crônicas prontas para a edição de Natal ou pra de fim-de-ano. Em breve já vou postar uma delas.

Li, no próprio Expresso, que alguns lojistas e sindicatos etc, querem um feriadão de quatro dias. Sexta é 1° do ano, domingo é domingo e segunda é feriado municipal. Tudo bem, e o sábado? Aí é que está: eles querem folgar também no sábado.

Uma cidade que deseja crescer, se desenvolver, cogitar um feriadão desses, logo no fim do ano em que todos querem comprar e comprar? Santiago pensa miúdo.

Noutros centros, nem mesmo domingo o comércio sossega. Aqui eles querem fechar já no sábado. Vejam nós, estamos trablahndo sábado à tarde, domingo, tudo para adiantar a edição.

Queremos que todos leiam seu Expresso durante o Natal e não depois. Por isso, o jornal vai circular quinta. Tem que ser assim, pois só cresce quem trabalha. Outra forma de melhora ainda não conheço.

sábado, 19 de dezembro de 2009

Sábado de calorão

Um calor de rachar e nós aqui, embaixo do mau tempo, trabalhando para que a edição do Expresso fique a contento. Ao meu redor, o Antoninho, o Márcio e o PC. Os demais estão por aí, na busca de mais notícias.

Soube que um idoso estaria em área isolada no hospital com suspeita de ter contraído meningite bacteriana. Ele teria baixado na quinta-feira.

Neste domingo o Jones Diniz vai entrevistar o ex-deputado Marco Peixoto, agora conselheiro do Tribunal de Contas do RS. O programa vai ao ar a partir das 10 horas na Santiago.

Falando nisso, viram a enquete do Expresso? Os jovens e aquela gente mais do povo não sabem o que significa Tribunal de Contas. Alguns até ouviram falar, mas continuam não sabendo para que serve.

Antes do então deputado Peixoto tomar posse, uns disseram: "Viu só, fulano. O Peixoto vai depor lá no Tribunal", dando a entender que o cara iria ser ouvido na Justiça.

E não culpem as pessoas por não saberem. No Brasil já é quase regra o fato de só se ligar naquilo que interessa diretamente. Se não é assunto policial, ligado à saúde, ao consumo, à mulher pelada, esporte ou violência, a maioria não dá a mínima.

Chega de papo furado. Vamos trabalhar. E depois ainda tenho que dar uma volta pelo "comércio", coisa que não gosto muito de fazer, mas algum presentinho terei que comprar. Fui!

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009


Olha, gente. Eu nem iria postar nada, pois sei que todos estão ocupadíssimos lendo o Expresso (eh,eh,eh), mas lembrando dos que estão fora, como o amigo e colaborador Ruy Gessinger, aqui vão as últimas.

Acabamos de largar nas casas quase duas toneladas de papel com tinta. Isso mesmo. O Expresso todo pronto já pesa isso.

E já estamos aqui na redação, grudaditos para mais uma jornada, não esquecendo que a edição de sexta sairá antes: na quinta-feira. E vem com tudo de bom (e de ruim).

Hoje, agora há pouco, fui ali no centrão. Tava grande a movimentação. Gente gastando, pagando. Estacionamento? Capaz!

Os jornais da capital agora batem no deputado Jerônimo, que mantém assessor "externo". Assunto que já trouxe aqui no blogue ontem e no Expresso de hoje.

Marco Peixoto, com todo o respeito, tu deve estar feliz numa hora dessas. Além de ter virado conselheiro, largaram um pouco do teu pé.

Falando em Peixoto, ele está na capa do Expresso de hoje. E não era para menos. Ele foi o assunto a semana inteira em todo o Estado.

Bem, como estou ainda meio cansado de tanto escrever, dou um tempo para refrescar a alma. Mais tarde vou lá no bar Flashback, mas não para tomar porre, como disse o Barbela, em sua coluna do Expresso.

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Quentes e apimentadas

Esta edição do Expresso está quase, quase. E já vou avisando que na próxima semana o dia de circulação mudará para quinta-feira, véspera de Natal.

Dizem que sexta sem Expresso não é sexta, então, a sexta será quinta.

Hoje o Ernei Nicola convidou alguns membros do jornal para uma "pelada", mas aí soube que era dia de encerramento. "Credo, como passa ligeiro!", disse ele.

Falando em hospital, não sei por que, mas lembrei da Tritícola, cuja direção abriu outra filial, agora em Bossoroca. Na semana que vem será a vez de Capão do Cipó.

Hoje recebi um e-mail do vereador Pedro Bassin, muito bem explicado, muito bem redigido. Ele, por sinal, muito fino, educado e modesto. Assim é que se fala, seu Pedro. O senhor está me conquistando um pouquinho a cada dia.

A RBS esqueceu do Peixoto e pegou no pé do Jerônimo Goergen agora. O deputado mantinha um assessor que nunca ia ao trabalho. O tal de Oscar Gress é presidente do MTG - Movimento Tradicionalista Gaúcho.

Pelo jeito, também estamos bem arrumados de tradicionalista. Tradição, mesmo, só a de receber sem trabalhar.

Mas como diz Goergen, este era um assessor "externo". Sim, eu sei. Só o dinheiro que era "interno", bem interno. De dentro do nosso bolso.

Esses assessores por fora, sem irem ao trabalho, é uma norma interessante. Em Santiago e região tivemos Tito Beccon, famoso assessor parlamentar dos deputados federais que só ficava em Santiago.

Depois tivemos o Ivori Guasso, assessor do deputado Rossano Gonçalves, cargo do qual só soubemos quando ele, Ivori, o perdeu.

Agora também temos o ex-prefeito Chicão de assessor do Heinze. Ganha bom salário para ficar só na região. Todos fazem, todos aceitam. No Brasil é assim, se é moda, logo, é correto.

Tchau. Até amanhã.

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

Lovato leva outra


NOVA ESPERANÇA - O Tribunal rejeitou as contas da administração do ex-prefeito Mauro Lovato, período e 2008, e ainda aplicou nele uma multa de 1.500 reais.

Entre as irregularidades constam a falta de planejamento e de concurso público em áreas da saúde; a compra de combustível em posto de propriedade do prefeito (e outros serviços) e a falta de providência quanto a um roubo que houve na prefeitura em 2006.

Santiago sem deputado


Peixoto com a governadora Yeda. Passou no seu crivo também.

Há pouco conversei com o deputado Marco Peixoto, aliás, com o ex-deputado e o mais novo conselheiro do Tribunal de Contas. Dos sete conselheiros de todo o Estado, agora um é de Santiago.

"Pegaram no pé da governadora e vasculharam. Não acharam nada. Nestes últimos dias, pegaram no meu. Fui umas das pessoas mais fiscalizadas, mas passei no crivo da Assembleia, da Governadora, do Tribunal de Justiça e do Ministério Público. O que mais querem?" me disse Peixoto.

E disse mais: "Agora há pouco um amigo me abordou: "só te falta a bênção do papa, mas aí tu seria canonizado," desabafou o santiaguense.

Em tempo - Alguém se deu conta que Santiago não tem mais deputado? A essa hora deve ter muitos políticos se enforcando na peiteira para ocupar o cenário deixado pelo Peixoto.

Luta contra o crime

Chego na redação e me deparo com esta notícia aí abaixo, com mais de 100 suspeitos de tráfico presos em São Borja. Coisa de outro mundo.

São Borja:
Polícia bota 33 na cadeia


Mais de 100 policiais civis da região participaram da Operação Samurai, para prender traficantes de drogas em São Borja. Trinta e três suspeitos foram levados para o presídio. Os policiais encontraram drogas, armas e munição, e apreenderam 10 carros. A operação também usou viaturas de Santiago e policiais de Mata, São Vicente e Jaguari.

terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Mais pimenta

Vereador x assessor

Uma leitora não consegue calar-se diante da manifestação do vereador Pelé (PP) sobre a lei que possibilita a nomeação de um assessor pra cada vereador.

"Ele não teve 38 anos de trabalho como operador de máquinas para fazer jus a uma aposentadoria igual a de um concursado.

Parte do tempo ele ocupou cargo de confiança (FG) e isso foi muito útil para sua remuneração ser bem maior que a dos que efetivamente prestam trabalho pesado.

Assim, ele não pode dizer-se defensor de redução de gastos com pessoal. Sem falar que, se já recebe do Poder Público, poderia abrir mão do subsídio de vereador.

E finalmente esclareço que a lei aprovada possibilita a cada vereador nomear um assessor, mas não obriga a fazê-lo. Então, vamos ver se Pelé vai deixar o cargo vago, não nomeando assessor algum."

Um trio espetacular

Eis o meu amigo Miguel Garaialdi, um dos advogados que mais admiro; com ele, o cantor popular que também ouço muito. Mano Lima canta com propriedade, nos faz sentir orgulhosos de sermos gaúchos; Ronaldo Lavarda, jovem patrão do CTG Coxilha de Ronda, a quem já admirava de tempos, agora mais ainda, pois assumiu uma entidade muito respeitada em Santiago.

Apimentadas


Não é uma prova do Enem ou do Peies, mas será que alguém seria capaz de dizer a quem pertencem estas situações abaixo?


Perguntinhas cretinas:

Pode alguém passar a vida como operário e depois aposentar-se acumulando funções gratificadas e etc, para ficar com salário bem maior que o dos outros pobres operários?


E outro alguém ser servidor público e vereador, mas ganhar salário dos dois lados mesmo que o horário não seja compatível?

Pode alguém ser lançado candidato mesmo sabendo que sua vida pública ainda não esteja totalmente organizada e, acima de tudo, aprovada?


E também é permitido dizer aos quatro ventos que se abriu mão de salários gordos numa instituição cooperativada, se vangloriando disso, e mais tarde descobrir-se que ele mentiu? Que de fato ganha salário. Não todo, mas uma boa parte que fica na surdina?

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

Buenas, Santiago!

Ontem à noite o ex-deputado João Osório, membro do TCE, disse que a sua entidade não pode estar toda hora na mídia (não da forma como está sendo noticiada), dando a entender que se referia ao caso Marco Peixoto.

Mas quem é João Osório? Um baita demagogo que eu vi chorar num comício político em Santiago, ANUNCIANDO SUA POUSADA para os pobres. Depois, ainda levou mil e poucos votos na nossa terra graças à ajuda de uma figura ímpar conhecida como Sandro Palma. Que fez por Santiago? Nada!

E tem mais: João Osório não tem lá grandes estudos, mas tem conversa e sorte. Sabem como ele ficou famoso e virou deputado? Soltando um porco de para-quedas num protesto do setor rural lá pras bandas de Santa Rosa, sua região.

Mas a RBS pegou firme no lombo do Marco Peixoto, afinal, ele está na vitrina. Lembro ainda que certa vez, o próprio Marco me disse: "Quando a gente entra pra política, coloca a bunda na janela. Cada um que passa mete a mão".

Eu não estou em posição de condenar RBS, Grizotti, ou quem quer que seja e me dou bem com Peixoto, assim como mais da metade de Santiago. Também não condeno ele.

Mas uma coisa eu digo: Peixoto que trate de esclarecer tudo isso de uma vez por todas pois, caso não entre para o bendito Tribunal, vai precisar muito de sua ficha limpa para correr atrás de outra reeleição.

Neco fora de perigo

Nequinho e seu filho Hugo.

Soube agora que a situação do vereador Nequinho Abreu (PDT) é praticamente a mesma, mas sua vida não corre mais risco.

O problema é o coágulo no cérebro do santiaguense que o impede de se movimentar, de falar...

Os médicos até falam em cirurgia, mas a pressão sanguínea não é das melhores.
Ele é mantido sedado, com um dreno na cabeça para escoar o sangue derramado. O jeito é esperar.

Soube também que seus filhos estão com familiares da esposa Zeti, em Palmeira.

Olá, amigos

Segunda bonita, ensolarada, mas triste com o sepultamento do líder Olgi Krebs. Um dos maiores cidadãos que Santiago viu nascer. Pessoa que se dava bem até com os adversários mais ferrenhos. Em 50 anos, não nascerá outro igual.

Parece que foi só o deputado Peixoto ocupar o centro da mídia com a indicação ao Tribunal de Contas, que as coisas mudaram pro seu lado e preteou o olho da gateada, como se diz.

O que achava-se morto e enterrado, veio à tona, justo esta história da empresa Marco Construção envolvendo seu irmão e ex-cunhada Magot, que realmente "amargô" para ele.

A posse no TCE estava prevista para quarta, mas falam em adiamento em face à nova denúncia contra o santiaguense, de que sua cunhada e o mano eram laranjas na antiga empresa.

Os líderes do PP local dizem que não, que nada será provado e que, num país de mensalões, de dinheiro em meias e cuecas a toda hora, os percalços na vida de Peixoto são coisa pouca e nada impedirá sua carreira no Tribunal.

Nessa altura, muitos se dividem. Uns querem ver seu sucesso, outros, seu fracasso. É uma questão delicada que tem que ser bem analisada para evitar injustiças. Aguardemos, pois.

sexta-feira, 11 de dezembro de 2009

Curtas

Sexta chuvosa de novo. Ainda bem que as toneladas de papel levando as imagens e textos da região pelas páginas do Expresso estão todas entregues. Ufa!

Uma notícia negativa: a doença do vereador Nequinho. Fico triste, lamento demais em nome da sua querida família. Que vida ingrata!

Outra cena de choro é a foto do deputado Marco Peixoto, mas este choro é de alegria. No lugar dele eu choraria também. E bem mais!

Hoje é a festa do hospital. Gostaria de estar lá para dar um abraço nos meus amigos Rúderson e Soninha, mas creio que não será possível. Estou meio indisposto. Mas o Expresso, de pé firme, estará representado.

Um blogueiro anônimo me cobrou via comentário que eu escrevi "enfarto", em vez de "infarto". Me perdoem pelo erro.

Visita ilustre hoje no Expresso. Capitão Giovani Pasini. Grato pela honra.

Por fim, agradeço ao amigo Ruy pela homenagem no Expresso. Dá-lhes, amigo. Um dos caras mais lidos do nosso jornal. Para o meu orgulho.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Protestos


Seria milagre que tanta gente do governo viesse a Santiago e não vissem uma faixa de algum protesto. Vejam esta aí, no alto do prédio e que não passou despercebida aos olhos do nosso atento repórter Cláudio Brum. Não sei se o pessoal da Yeda viu, também não sei se o protesto é justo, mas que é válido, isso é.

Vai mudar a bolachinha?

Doeler de novo no CES

O empresário Elton Doeler, Felice, primeiro presidente do Centro Empresarial de Santiago está de volta ao comando da principal entidade representativa da cidade. A eleição aconteceu nesta semana e ele terá como vice a também empresária Elaine Minozzo (loja A Gaúcha) que também já presidiu o CES.
Perguntinhas que não querem calar: Afinal, quantos sócios tem o CES? Dizem que são mais de 700, então, por que apenas 38 compareceram para votar?

Doeler ganhou 36 votos. Ele não votou nele mesmo e um foi anulado. Pelo jeito, o associado estava gostando da forma como vinha sendo conduzida a entidade.

Ou ainda: O nosso Centro Empresarial está tão desprestigiado que nem votantes conseguiram levar à assembleia.

E tem mais: quero ver se alguma coisa vai mudar , se vão coibir colegas de desaforear colegas por meio da internet, jogando pimenta nos olhos alheios.

Para encerrar, um amigo me disse que: agora , no CES, será "doa a quem doeler".

Flauta gremista

Está em caixa alta, é meio ruim de ler, mas vale a pena rir com esta flauta do André sobre o meu colorado.

PARA OS COLORORADOSISSO MESMO... ACHEI Q O INTER ESTAVA COMPLETANDO 100 ANOS EM 2009, MAS PELO VISTO ESTA COMPLETANDO 8, O RESTO DE SEUS 92 ANOS EM Q NAO GANHARAM NADA DEVE SER ESQUECIDO MESMO!! AAA E AINDA NAO FOI CONTABILIZADA AI NESSA LISTA A TRIPLICE COROA DO INTER EM 2009, VICE DA COPA DO BRASIL, VICE DA RECOPA, E VICE BRASILEIRO. INTER MAIOR CAVALOR PARAGUAIO DA HISTORIA.ANDRE RIGUES

Faça você!

Alguns acham mais fácil queixar-se da falta de dinheiro do que usar a criatividade ou a boa vontade. Uma lata de doce de pêssego custa de 2 a 4 reais. Um quilo da fruta nesta época sai por 80 centavos. Com um pouco de tempo, paciência e açúcar, se enche dois potes de doce, o equivalente a quase duas latas compradas no mercado. Facinho, né?

Minha ajuda

Aqui em casa a Suzana fez horrores de doce de pêssego. Eu até ajudei, acreditem! Passei um domingo desses descascando frutas. É bem verdade que eu comia quase a metade durante o serviço, mas que ajudei, ajudei.

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Esta é pros gremistas

Vou dar o recado do amigo Jomar Donadel, de São Vicente:

Pesquisa: O INTER levantou 12 taças em oito anos.
Grêmio=Campeonato Gaúcho (2006 e 2007)

Troféu no armário virou rotina no Clube desde 2002. A conquista de títulos tornou-se uma constante no Beira-Rio.

Desde 2002, o Internacional conquista pelo menos uma taça por ano; é o único clube brasileiro que desfruta desta façanha que inclui cobiçadas conquistas internacionais.
-Foram seis campeonatos gaúchos,
-Uma Copa Suruga Bank,
-Uma Dubai Cup,
-Uma Copa Sul-Americana,
-Uma Recopa,
-Uma Copa Libertadores da América e
-Um Mundial de Clubes neste período de oito anos. No Brasil, o Vitória, da Bahia, também goza deste feito, mas somente de títulos regionais. A equipe baiana foi campeã estadual dez vezes e da extinta Copa do Nordeste.

De 2002 até agora, foram conquistados 12 títulos. No mundo, nos principais campeonatos pesquisados, apenas Barcelona, da Espanha, e CSKA Moscou, da Rússia, levantam taças todos os anos desde 2002.
"Nunca passou pela nossa cabeça o fato de abrirmos as pernas pro Flamengo."
(Léo, zagueiro gremista).
Peixoto quase
no Tribunal

Depois de duas semanas de indefinições, a Assembleia aprovou por 34 votos a cinco a ida do deputado santiaguense Marco Peixoto para o Tribunal de Contas do Estado. Agora falta só a nomeação dele pela da governadora Yeda Crusius. O plenário ficou lotado por simpatizantes do PP. Peixoto chorou após ter seu nome confirmado.

Colorados
pelas crianças

O Centenário Colorado será festejado em Santiago nesta quarta-feira com um churrasco, mas o lucro irá para as crianças, por meio da compra de um brinquedo. O cartão custa 10 reais e está à venda no Bar 1, No restaurante frente à Gaúcha e no local do jantar: na AABB.

O shopping da ilha

- É UMA ILHA -

Inventei de dar uma passada no Shopping Ilha Bella e confesso que fiquei muito triste. Vi toda aquela linda estrutura, um lugar típico de grandes centros, porém, quase vazio. Aí me dei por conta de uma coisa: quem nasce pobre, com espírito pobre, e quer morrer pobre, morre. Força alguma vai desviá-lo do seu destino. Com alguns consumidores acontece o mesmo.

Será que o problema é o shopping ou a população? Em algumas cidades parece que não adianta construir coisas grandiosas. Todos vão querer o botequim da esquina. Não adianta inventar escadas rolantes, elevadores panorâmicos e cinema. O povo vai querer andar no calçadão, no asfalto, no parque e ver um filme na Globo ou no SBT.
Se eu estiver errado, me corrijam, mas Santiago talvez não merece um empreendimento dessa envergadura.

E os lojistas e os idealizadores não são culpados. Eles são heróis. O problema é a nossa falta de conscientização, falta de querer o novo. Infelizmente, o Ilha Bella terá que ser repensado para se adequar ao gosto da nossa população, ou seguirá sendo uma ilha, muito bela, mas isolada, só servindo aos jovens que vão lá tomar shake e se beijar nas escadas.

Estamos no caminho certo

Parabéns, Expresso

Quero parabenizar o Expresso Ilustrado pela ótima matéria feita na semana passada pela inauguração da Alfamil e Motocity. Fiquei muito contente com a apresentação da matéria, pela qual tivemos grandes elogios. Isso mostra que essa instituição é realmente de grande expressão regional.

Aproveito também para elogiar a representante comercial que nos visitou. Muito educada e inteligente. Pessoas assim nunca ficam fora do mercado de trabalho. Abraços.
Rogério Garotinho

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Bom dia, gente!

Ruy Gessinger - A coluna de maior sucesso nesta semana foi a de Ruy Gessinger, sobre os jovens que se vestem tipo os bad boys, com um ridículo boné e mais um capuz por cima.

Pais, os culpados - Concordo com o colunista, mas acredito que os maiores culpados são os pais. Afinal, como ele mesmo dissera outrora, "Criança não tem querer, tem é pais".

Sérgio Diefenbach - Mas como também frisou certa vez o grande promotor Sérgio Diefenbach, talvez fosse melhor reensinar os pais, só assim teríamos jovens mais conscientes.

Novo colunista - Falando em colunistas, logo teremos a participação de mais um renomado santiaguense que certamente fará sucesso aqui nas páginas do Expresso.

Mais um apontado - Seguindo a lista de ex-prefeitos enroscados no Tribunal de Contas, agora temos Valdeci Oliveira (Santa Maria). Ele terá que devolver 500 mil à prefeitura por erros administrativos. Cabe recurso.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Saudações coloradas

Eu e meus amigos "Nos bares da cidade": Flashback. Na Rua da Cidadania: Casamento coletivo: emocionante.

Tantas emoções

Olá, amigos. Tivemos um final de semana cheio de emoções em vários campos. A começar pela Rua da Cidadania. Baita evento, como eu já havia dito aqui.

Depois, na sexta à noite e sábado, me reuni com amigos no bar Flashback, quando também ouvi boa música e até diverti os convidados contando algumas piadas e fazendo imitações. Vez por outra, cantarolava alguma coisa. Quem quiser ouvir mais, que me aguarde por lá. Também espero ansioso pela presença do Sadi e do seu Sobrinho, o Dr. Éldrio, para um entreveiro.

Mas o forte do final de semana foi o Campeonato Nacional de Futebol. Nós, pobres colorados, dependíamos do Grêmio para derrotar o Flamengo, mas não deu.
Domingo eu almocei no Restaurante do Mário, quando encontrei o amigo Maurício. Disse a ele que nunca imaginei ter que torcer para o Grêmio um dia. Aí ele respondeu: -Tu que sabe, mas por mim, tu pode torcer sempre para o nosso time.
Que raiva!

Chega a hora do jogo, mas antes eu olhava o meu Riachuelo pela copa A Razão, bem no fundo da minha casa. Na metade, me mudei pra sala, diante à TV, onde o baile começou.

Não nego, o Grêmio não se intimidou, bateu forte no Flamengo e tal e coisa. Resumindo: o tricolor jogou como nunca, pena que perdeu como sempre.
E como eu disse, logo de quem nós fomos ficar dependentes: desse pessoalzinho da Azenha. É só para sofrer e ter que esperar mais uns 30 anos para ser campeão nacional.

Tudo isso eu entendo, mas pior eram os gremistas em Santiago. Uma meia dúzia de magoados foi pras ruas com camiseta do Flamengo. Isso é antiamor ao próprio time. Nunca vi alguém festejar a derrota. Ainda mais para cariocas.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Visitas ilustríssimas




Recém saíram da redação o vice-prefeito Toninho, as secretárias Denise (educação) e Sônia (Desenvolvimento Social) e Tarsila Rorato Crusius - Coordenadora do projeto Rua da Cidadania.

De fato, este trabalho do governo do Estado mexe com as populações e faz renascer neles o sentimento de cidadãos, pois alguns membros dessa nossa pobre sociedade, nem identidade têm, pra não falar do resto do serviço que dezenas de profissionais irão prestar.

Na despedida, como de praxe, entreguei meu livro 20 Anos de Jornalismo para apreciação da visitante, que por sinal, é muito falante e simpática. E amanhã, todos nos veremos na Rua da Cidadania. Baita projeto! Baita trabalho.

Porque hoje é sexta...

Cá estamos, após uma semana corrida. O Expresso veio recheado: mais de 60 páginas com dezenas em cores e muita, mas muita informação. Sexta-feira, se não tivesse o Expresso, assim não se chamaria.

Esta foto aí em cima me foi enviada de Soledade, mostrando uma prévia das flautas que envolverão a dupla Grenal neste findi.
E como eu dizendo ontem para um amigo: ninguém entra em campo para perder, mesmo que isso favoreça o principal rival. Agora, se os gremistas conseguirão vencer o Flamengo, isso é outro papo.

Em breve estarei lá no Flashback - Bar, rodeado de amigos e de boa música. Até logo mais.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Pouco pra cultura

Se o vereador Nelson Abreu já era indignado com o orçamento da cultura, ficou ainda mais. Disse que, para 2010, o prefeito reservou menos do que os R$ 80 mil desse ano, o que inviabilizaria de novo a Feira do Livro e outros eventos. Abreu subiu nas tamancas.

Sem regras

O vereador Bianchini criticou a falta de arborização nas ruas centrais de Santiago. Segundo ele, é tudo sem regra e nem padrão. Cada um planta a árvore que quer, do jeito que bem entender. Ele acha que é preciso mudar isso e melhorar esse aspecto.

Quebra-molas

Sobre trânsito, Bianchini é favorável à instalação de quebra-molas nas ruas centrais. Segundo ele, seria uma alternativa eficiente e viável para diminuir a velocidade dos veículos.

Inter x milagre

Mesmo sendo colorado, não acredito em milagres, não duvido dos nossos, mas dos milagres que deveriam sair dos pés dos jogadores do Grêmio.

Vertendo água

As chuvas foram assunto nas mais diversas rodas de conversa. Até na Câmara, o vereador Arlindo Alves disse que tava apavorado com o aguaceiro. "No interior, ressurgiram vertentes que fazia uns 30 anos que não vertiam água", disse.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

O que é bom...

Há pouco conversei com o professor Clovis Brum, diretor da nossa URI. Cada vez mais me convenço de que o homem é sensacional. Eu, que vivia preocupado com a mão-de-obra da URI indo embora pro Ifet, me surpreendi com a sábia análise do nosso grande mestre:

... está na URI

"Lemes: se eles foram, se passaram num concurso dificílimo, é porque são bons, têm qualificação e por r isso estavam na URI. Agora, supriremos essas lacunas com outros do mesmo naipe, por isso, a URI é a URI."

Inter x milagre

Mesmo sendo colorado, não acredito em milagres, não duvido dos nossos, mas dos milagres que deveriam sair dos pés dos jogadores do Grêmio.


Tempo louco

A chuvarada de hoje registrou um novo capítulo de estragos: Um senhor ferido por raio em Manoel Viana; os pinheiros da BR 287 vieram ao chão, sem falar nas enxurradas detonando estradas, pontes, barragens... "Cosa muito feia este tempo loco".

Nos embalos do Flashback

As amigas Oneida, Sônia e Suzana Lemes
Os amigos Rúderson e Rodrigo

Os amigos Miguel Garaialdi, Joce e Breno


O meu amigo Diógenes Pohl.


Entre amigos é...

Passei várias horas da noite de sexta no Flashback, onde me encontrei com amigos queridos, dentre eles Miguel Garaialdi, Diogenes Pohl, Luiz Alfredo Menna Barreto, Sônia Nicola, Rúderson Mesquita, Rodrigo Vontobel, Nícolas Xavier e Davi Vernier.

...tudo de bom e...

Foi uma noite maravilhosa entre amigos e outros notáveis cidadãos como o capitão Pasini, o Neri Guerra, Luiz Antônio Barbará. A bebida ao ponto, o belo ambiente e a boa música do santa-mariense Marcelo Marssário e de sua bateirista Anelise Schmitz.
...no nosso tempo

Bem diziam que Santiago precisava inovar no aspecto "noite", e graças ao Taborda, temos um legítimo barzinho, onde a amizade, o ótimo atendimento, a música e o ambiente nos fazem viajar para os anos 60,70,80, mas sem envelhecermos. Porque no Flashback o tempo é nosso. Espero todos lá neste final de semana.

Pedido ao Noel

De tantos pedidos ao Papai Noel que já vi e ouvi, selecionei este do Ruy Gessinger, meu querido amigo e colunista do Expresso:

Papai Noel: que neste Natal...

... eu não seja obrigado a esperar suarentas e opressivas horas, até a meia-noite, para só então poder me servir da santa ceia e ser pequeno para tantos abraços e votos de muita paz, muita paz, enquanto os foguetes em honra de Jesus menino espoucam e os parentes voltam a discutir as 0,15 da madrugada. (Ruy).

Ford condenada a
pagar 55 milhões


O jornal "The Detroit News" (Califórnia) publicou que a Ford deve pagar US$ 55 milhões a um consumidor que ficou paralítico após capotar seu Ford Explorer 1997. Ele desviou de detritos e capotou quatro vezes, sendo que o teto do Explorer afundou, atingindo seu pescoço.

terça-feira, 1 de dezembro de 2009


Conversa fiada

A bola da vez é a ida do deputado Marco Peixoto para o Tribunal de Contas (TCE). Ontem a RBS noticiou a balbúrdia dos funcionários do TCE, que desejam a negativa da nomeação de Peixoto por parte dos conselheiros.

O líder maior, no momento, que também é Peixoto (Porfírio), disse que a Assembleia vai votar (terça) e a governadora vai nomear. Eles só devem empossar. Claro, que se algo estiver contra a Constituição, poderão se opor à nomeação.

Como se vê, Porfírio já lavou a mãos, e nem mesmo o judiciário poderá intervir em algo decidido e que passou por dois poderes. Se assim o fizesse, outros tantos membros de tribunais de contas por este Brasil teriam que deixar seus cargos num piscar.

E pra encerrar, quero que me mostrem uma suspeita clara ou condenação sobre Peixoto. Só o que se viu ou ouviu são conversas gravadas num período em que todos estavam grampeados em função dos fatos sobre a fraude do Detran.

Pensando bem, se Peixoto não for pro Tribunal, eu não terei nada a ver com isso, mas por uma questão de Justiça, o famoso Zé Otávio nem poderia falar em candidatura ao governo. Até a governadora teria que cair, afinal, há dezenas de conversas envolvendo seus nomes. Mas e daí? Conversa é conversa, nada mais.
Esta é Santiago

Há pouco (meia-noite) olhei na frente de casa e vi meu filho Fagner e seu amigo Thiago Flores numa baita prosa. Carro estacionado (sem som) e eles trocando ideias tranquilamente.

Olhei pros guris e disse: tão vendo esta paz, este céu azul? Tão ouvindo o barulho da sapaiada no açude? E cadê o movimento de carros, gente gritando?

Esse mar de silêncio, quebrado apenas quando alguém faz uma junçãozinha ou quando a cadelada entra em cio, vocês dificilmente verão noutra cidade. Isso é Santiago.

Mônica segue "leal"


Ontem eu disse que o Marquinhos estava lutando para trazer mais computadores para Santiago. Aqueles doados pelo Tribunal de Justiça ao Estado. E Marquinhos está mesmo na luta, não tiro os méritos do guri. Mas saibam:

Há horas a nossa embaixatriz Mônica Leal vinha na estrada em nome da nossa Santiago. Ela correu, recebeu santiaguenses do quilate da irmã Gessy, a Rita Nicola e atendeu pedidos de várias escolas daqui. Havia me esquecido disso, um lapso de minha parte.

Meus parabéns, Mônica, nunca me enganei contigo e sei que Santiago é outra depois de tu teres aparecido nas nossas vidas. Se temos Peixoto, se temos Peixotinho, se temos o Ruy lutando por nós, tanto melhor, mas ter uma secretária do peso da Mônica, e que é "leal" conosco, é muito bom, é ótimo.

Bianchini se manifesta

Há dias falei que acreditava na vontade do vereador Bianchini em querer seguir "enroscado" na mesa diretora da Câmara que hoje preside. Critiquei dizendo que ele havia se apegado ao poder. Educadamente, me respondeu e deu sua versão categórica, ao qual agradeço de coração. A resposta ao Itacir Flores também foi boa, ética e fundamentada. Vejam o texto a seguir.


Prezado João Lemes!


Não existe qualquer negociação minha em manter cargos da Mesa Diretora da Câmara, detenho somente a nomeação da Chefe de Gabinete, por um período de um ano; quanto aos novos dirigentes da casa, apenas fiz a indicação do novo presidente, mais nada. Pra mim o assunto está encerrado até o final do ano.


Tentei postar um comentário na manifestação do Itacir Flores, em teu blog, não consegui. Por isto faço direto a ti e peço a tua atenção:


O Itacir é um colega brigadiano e sempre considerei meu amigo particular, me dou demais com seus familiares, pessoas humildes, honestas e exemplares; quando o Itacir tinha um projeto político, criou a Fundação Itacir Flores e jogou abertamente com voluntários e colaboradores sobre suas intenções, mesmo assim me voluntariei para ajudá-lo e participei da fundação por um tempo.


Infelizmente sua primeira experiência política foi mal sucedida e eu não tenho culpa em nada. Só não consigo entender o porquê dele vim, volta e meia, me atacar de uma forma tão violenta, injusta e raivosa, nunca lhe fiz mal algum, muito pelo contrário.


Peço ao Itacir que antes de escrever alguma coisa sobre mim, referente a política, que busque informações junto aos vereadores e funcionários desta casa, só assim ele será justo com uma pessoa que sempre considerou-o.

Um forte abraço e produtiva semana João.

Miguel Bianchini.

segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Computadores

Peço que alguém interceda no governo sobre os micros doados pela Justiça, trazendo alguns pras nossas escolas. Quem foi? Marquinhos Peixoto.

Inter x milagre

Mesmo sendo colorado, não acredito em milagres, não duvido dos nossos, mas dos milagres que deveriam sair dos pés dos jogadores do Grêmio.

Bianchini melhor

O Bianchini vai encerrar bem a sua gestão na câmara. Inclusive mais polido de que quando entrou. Até com o Expresso ele já fez as pazes.

Pau na AES Sul...

A AES Sul nunca enfrentou tantos problemas com chuvarada, caminhão atolado etc. Mesmo assim, políticos aproveitam pra crescer no lombo dela.

... e promoção no povo

Fica fácil meter o pau na empresa sem ver a realidade. Ela não é a mãe CEEE, virada em política. Com a AES Sul não há politicagem. Tome pau.

Sangue, graxa e suor

Este gringo aí da foto, (direita) pançudo e graxudo, atracado no serviço poderia ser qualquer um. Mas se dissermos que a grama é no Cruzeiro, logo veremos que o cara não é qualquer um.

Trata-se do velho Chicão de guerra, presidente do Cruzeiro e que não sabe olhar o serviço sem botar a mão na massa, digo, na terra. Ele e seus amigos querem ver o gramado pronto para receber todas as equipes em janeiro.

Eles são...
Ao seu lado, o Édson Delevatti, meu grande amigo e que também sabe pegar junto quando o assunto é Santiago, é Cruzeiro. Um exemplo de que os dois são o que são porque são assim: uns tauras.
Tampão que
não é tapado


Soube que o dito "tampão" foi bom, foi pau-ferro, mas nem tanto. Não é que o cara mandou dedetizar todos os órgãos públicos, e sem licitação, pelo que me consta. Agora, a outra não quer pagar esse gasto e a pressão por parte daqueles dois veteranos consagrados já iniciou. Eles querem que o companheiro receba a grana.


Mas tem uma, ela não quer pagar porque o cara, mesmo sendo tampão, é empresário do setor de dedetização. Muito lógico supor que, diante do caso em tela, ele vendeu para ele mesmo com a vantagem de não ser ele quem paga, mas a municipalidade.

Dia de formatura

Eis a turma de formandos da Escola da URI.
Suzana, Fagner, João, Fernanda e eu. Família Siqueira Lemes.

Bela decoração.


Meu final de semana foi de emoções; encontro com amigos no Flashback bar; formatura do meu filho Fagner pela Escola da URI... Algumas cenas deixarei postadas aqui para dividir minhas alegrias com vocês.


Pena que me empolguei demais lá no bar Flashback e, sem comer nada (não me deu fome) a Polar quase me pegou. Meio debilitado, fui alvo fácil para uma dor de garganta, o que me levou à febre alta e a um desânimo total, seguido de muitas noites em claro.

Na formatura da Escola da URI, adorei quase tudo. Decoração diferente (apesar do preço ter sido um pouco salgado, a meu ver); um grupo de alunos do mais alto nível demonstrando amizade e beleza. Foi algo memorável.


Não esqueço da simpatia das professoras e diretores da URI, porém, lembro que os discursos, embora bem redigidos e emocionantes, estavam longos demais, pedindo nas entrelinhas que as pessoas conversassem a ouvi-los.

O professor Clovis Brum foi o que falou melhor, e de improviso, fazendo jus ao cargo, mas já discuti com ele (outro dia) que a prolixidade é o mal da modernidade; é a balda, o vício é o não saber resumir.


Por fim, nota mil ao professor José Lir Madalosso. Este sim foi sucinto e bem humorado nas saudações aos alunos. Só errou quando dizia "Maestro, música e holofotes para fulano". Maestro não lida com holofotes.



De resto, me esbaldei nas emoções e pelo carinho dos professores da URI Escola com o meu filho, o Fagner Cajuzinho.

sexta-feira, 27 de novembro de 2009


Tritícola da desordem

Bastou entrar gente nova na Tritícola e muitos furos apareceram. Não acuso ninguém, apenas comento as palavras da atual direção de que a contabilidade era uma bagunça; que foram cobrados de uma dívida com a Cotribá sem ter qualquer registro; que houve antecipações de dinheiro com juros abusivos, entre outras desordens.

Toma lá, não dá cá.

Eu também soube que alguns empresários tinham convênio com a Tritícola: Esses senhores repassavam os vale-compras do Mercado Tritícola aos seus funcionários, que compravam na Tritícola, que tinham seus vales gastos descontados pelo patrão, que não pagava a Tritícola. Entenderam o tamanho do engodo? Assim, é impossível uma cooperativa aguentar?
Na verdade, esse não era bem um "convênio", mas um "convém". Convém só pra mim.

E a volta, virá?

E agora, diante do resultado e uma poderosa auditoria, paga com dinheiro do associado, vai haver punição a algum culpado ou todos irão posar de santo mais uma vez? Com a palavra, os senhores novos diretores da nossa judiada cooperativa.

Carta do leitor:
Convite a Ruivo

Moro na rua José Berguemaier, Beco da Piscina, e estou indignada com a situação. Limpamos um bueiro que estava entupido e a patrola veio e tapou tudo de novo. Além disso, convivemos com terrenos sujos e sem iluminação pública. Gostaria de convidar o prefeito Júlio Ruivo para que passasse aqui uma noite dessas, para ver nossa realidade.

quinta-feira, 26 de novembro de 2009

Binchini Chaves

Prezado Lemes:

Li o teu blog sobre a pressão do vereador Bianchini em permanecer na Presidência da Câmara. Isso me parece com um filme que volta e meia vem à tona."Poder, Poder, Poder - tudo para mim, para os outros nada"

O Bianchini vai ficar conhecido como o "Hugo Chaves da Terra do Poetas". Esta minha reação é democrática e, ao mesmo tempo, preocupante. O que será do mundo amanhã, se homens ditadores dominarem totalmente as pobres mentes do passivo povo?

Hugo Chaves determinou que o banho dos venezuelanos seja de apenas 3 minutos: um para se molhar; um para se ensaboar e um para tirar o sabão. E tem mais: que as pessoas que fossem ao banheiro à noite, não liguem a luz e usassem lanternas para economizar. Eta ditadura!

Será que o PP aceitará a reeleição de Bianchini em detrimento de outro vereador do partido? Espero que a democracia reine em nosso solo poético.

Itacir Flores